Ao renunciar, diplomata russo afirma que Putin é um criminoso de guerra

Boris Bondarev atuava na chancelaria do Kremlin desde 2002
-Publicidade-
A declaração do diplomata foi feita durante sua participação no encontro anual de dissidentes de direitos humanos em Genebra, na Suíça
A declaração do diplomata foi feita durante sua participação no encontro anual de dissidentes de direitos humanos em Genebra, na Suíça

O diplomata russo Boris Bondarev, da Organização das Nações Unidas (ONU), entregou o pedido de renúncia ao cargo na segunda-feira 23. “Nunca tive tanta vergonha do meu país”, escreveu Bondarev, em comunicado compartilhado com diplomatas em Genebra, na Suíça.

O diplomata russo afirmou que a guerra contra a Ucrânia desencadeada pelo presidente Vladimir Putin não é apenas um crime contra os ucranianos, mas também contra toda a população de seu país.

Em sua opinião, os responsáveis pelo conflito “querem permanecer no poder para sempre, viver em palácios pomposos e de mau gosto, navegar em iates comparáveis ​​em tonelagem e custo a toda a Marinha russa, desfrutando de poder ilimitado e total impunidade”.

-Publicidade-

A declaração do diplomata foi feita durante sua participação no encontro anual de dissidentes de direitos humanos.

Bondarev atua na chancelaria do Kremlin desde 2002. Foi consultor sobre não proliferação nuclear por quase uma década em Moscou e depois na missão permanente da Rússia na ONU e em outras organizações internacionais em Genebra.

“É tudo sobre belicismo, mentiras e ódio. Serve aos interesses de poucos, muito poucos, contribuindo assim para um maior isolamento e degradação do meu país. A Rússia não tem mais aliados e não há ninguém para culpar a não ser sua política imprudente e mal concebida”, afirmou Boris Bondarev.

Para ele, Putin se tornou um “criminoso de guerra e um ditador” e comprometeu o trabalho do Ministério das Relações Exteriores.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

7 comentários Ver comentários

  1. Estamos vivendo momentos tenebrosos, os rumores que Putin sofre de câncer e centenas de bombas nucleares ao seu dispor, sanguinário como é, nos seu últimos suspiros, decidiria: Vou morrer, mas tds morreram comigo, isto é, a humanidade. Hitler não dizimou a terra porque não tinha a bomba, mas, deixou a Alemanha dizimada antes de se matar. Chocante!

  2. Prank with George Bush. All 6 parts pode ser encontrado no YouTube.

    Vovan e Lexus se especializaram em pregar peças em políticos. O que realmente deveria ser engraçado é muitas vezes preocupante, porque quando os políticos ocidentais pensam que estão entre pessoas que pensam da mesma forma, eles são surpreendentemente honestos. Desta vez a vítima foi o ex-presidente dos EUA George Bush Jr.. Bush pensou estar falando com o presidente Zelensky e admitiu abertamente muitas coisas que certamente não diria aos jornalistas. Talvez o mais importante no momento foi reconhecer abertamente a existência de laboratórios de armas biológicas dos EUA na Ucrânia, enquanto o governo dos EUA nega sua existência e diz ser propaganda russa no Ocidente. Bush é agora um propagandista russo?

    Assistam ao vídeo em inglês e tirem suas conclusões. É cutrtinho.

  3. Quando um “camarada” trabalha em um mesmo governo(corrupto e autoritario) durante 20 anos, usufruindo de beneces dadas a apenas alguns amigos do rei e logo depois começa a criticar aquilo que aproveitou durante 20 anos, dá para desconfiar. Navalni foi um desses. Aproveitou o quanto deu, ficou milionário as custas de Putin, e agora quer dar uma de bonzinho. E a imprensa engole.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.