-Publicidade-

‘Hoje é um dia de felicidade’, diz presidente da Argentina após promulgar lei do aborto legal

Alberto Fernández comemorou a decisão que torna legítima a interrupção forçada da gravidez até a 14ª semana de gestação
Socialista Alberto Fernández tornou o aborto legal na Argentina
Socialista Alberto Fernández tornou o aborto legal na Argentina | Foto: Reprodução/Facebook

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, promulgou ontem, quinta-feira 14, a lei da interrupção forçada da gravidez. A lei permite o acesso ao aborto até a 14ª semana de gestação mediante solicitação e no prazo máximo de 10 dias após a manifestação desse desejo.

O presidente socialista Alberto Fernández, que enviou o projeto ao Parlamento, promulgou a lei em cerimônia no Museu do Bicentenário, em Buenos Aires.

Também foi promulgada a Lei Nacional de Atenção Integral à Saúde na Gravidez e Primeira Infância, conhecida como Lei dos Mil Dias, que prevê o pagamento de uma bolsa para mulheres de baixa renda que desejarem manter a gravidez até os três anos de idade do filho.

“Hoje é um dia de felicidade para todos porque o que estamos fazendo é uma sociedade um pouco mais igualitária e justa. Para mim, é especial porque estou cumprindo a minha palavra. Fiz uma campanha dizendo que faria isso e hoje é lei”, disse o presidente.

Leia também: “Senado da Argentina ratifica cruzada pró-aborto no país”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 comentários

  1. O ventre das mães grávidas trazem uma vida. O aborto não dispõe do corpo da mulher, mas o assassinato de um inocente. Não haverá clemência divina contra um crime de tal monta.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês