-Publicidade-

Ricos fogem da Argentina para investir no Uruguai

Divisão política crescente, agravamento da pobreza e a propagação contínua do coronavírus motivaram a migração de residência fiscal no exterior
Foto: Divulgação/Alberto Fernández/Instagram
Foto: Divulgação/Alberto Fernández/Instagram | Foto: Divulgação/Alberto Fernández/Instagram

Divisão política crescente, agravamento da pobreza e a propagação contínua do coronavírus motivaram a migração de residência fiscal no exterior

argentinos ricos
Os presidentes peronistas Alberto Fernández e Cristina Kirchner | Foto: Divulgação/Alberto Fernández/Instagram

Responsável pela autoridade tributária argentina, Mercedes Marco del Pont afirmou à agência de notícias Telam que, neste ano, quase metade dos 504 argentinos que estabeleceram residência fiscal no exterior — a maioria deles, ricos — escolheram o Uruguai. “Observamos um aumento no número de pessoas”, disse Del Pont, na sexta-feira 2, ao minimizar o ocorrido. Além disso, Carlos Enciso, embaixador do Uruguai, garantiu à rádio Montecarlo que 100 argentinos por semana têm se candidatado no consulado de Buenos Aires, para investir sob o governo do presidente liberal Luis Lacalle Pou. Dados do Ministério do Interior daquele país mostram que cerca de 13 mil argentinos chegaram para ficar no país vizinho entre abril e setembro, conforme noticiou a Bloomberg.

Leia também: “Cresce a lista de empresários que estão de saída da Argentina”

Dados do Banco Central do Uruguai revelam que os depósitos de não-residentes em instituições locais aumentaram US$ 528 milhões nos 12 meses desde que as eleições primárias na Argentina indicaram a vitória de um governo esquerdista. Acredita-se também que a maioria desses depósitos seja de argentinos. A nova onda migratória de investimentos é impulsionada por maiores impostos e propostas de aumento da carga tributária dos peronistas Alberto Fernández e Cristina Kirchner. Entre outros pontos que pesaram na decisão final de aplicar dinheiro em outro lugar é a divisão política crescente, o agravamento da pobreza e a propagação contínua do coronavírus na Argentina, apesar das medidas de isolamento social decretadas pelo governo argentino.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês