Austrália e Holanda iniciam ação contra Rússia por queda de avião

Voo da Malaysia Airlines foi abatido em 2014 por um míssil de fabricação russa, em episódio envolto em mistério
-Publicidade-
Destroços do MH17, em acidente aéreo de 2014, em circunstâncias ainda misteriosas
Destroços do MH17, em acidente aéreo de 2014, em circunstâncias ainda misteriosas | Foto: Reprodução

Autoridades de Austrália e Holanda anunciaram nesta segunda-feira, 14, que entraram com uma ação conjunta contra a Rússia na Organização de Aviação Civil Internacional (Oaci), em razão da queda do voo MH17, em 2014, no espaço aéreo da Ucrânia.

O avião da companhia aérea Malaysia Airlines se dirigia a Amsterdã, saindo de Kuala Lumpur, em 17 de julho de 2014, quando foi abatido por um míssil de fabricação russa, apontaram as investigações na época.

Os 283 passageiros e 15 tripulantes a bordo do avião morreram. Entre eles, havia 196 holandeses e 38 australianos. A aeronave caiu em território ucraniano, a 40 quilômetros da fronteira russa.

-Publicidade-

Austrália e Holanda demandam da Rússia uma compensação e um pedido formal de desculpas. A alegação é que o voo da Malaysia Airlines foi abatido por engano pelo sistema de defesa russo. O governo de Moscou, atualmente sob pressão internacional por causa da recente invasão militar à Ucrânia, nega envolvimento no episódio e se retirou da negociação com os dois países em outubro de 2020, contrariando os demais envolvidos.

“A negativa da Rússia de assumir responsabilidade por seu papel na queda do voo MH17 é inaceitável, e o governo australiano sempre disse que não excluirá nenhuma opção legal em nossa busca por justiça”, expressa nota oficial assinada, por Scott Morrison, primeiro-ministro da Austrália.

“A ação conjunta da Austrália e da Holanda é um grande passo à frente na luta de ambos os países pela verdade, pela justiça e pela responsabilidade por esse horrível ato de violência”, completou o comunicado.

Um tribunal holandês que julga o caso há dois anos identificou quatro suspeitos, três russos e um ucraniano. Segundo as investigações, esse grupo foi responsável pela entrada de lançadores de mísseis Buk na Ucrânia, mas as autoridades ainda tentam mapear as conexões por trás da operação.

Agência vinculada às Nações Unidas, a Oaci estabelece as normas que regem o transporte aéreo civil, em virtude da Convenção sobre Aviação Civil Internacional. No entanto, o organismo não tem poder para impor sanções.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. A foto da manchete nos revela coisas interessantes de outro acontecimento famoso.
    Vejam que há destroços por todos os lados com os motores quase inteiros. Sempre assim, pois as ligas mais nobres de qualquer aeronave estão nos motores.
    Os únicos “aviões” q sumiram por completo diante de nossos olhos foram os do pentágono e o de Pittsburgh, talvez também os das torres.

    O mais inacreditável é q existe engenheiro aeronáutico e de materiais q é capaz de acreditar num absurdo desses.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.