Brasil demonstra ‘profunda preocupação’ com direitos de mulheres e moças afegãs

'É necessário impedir todas as formas de discriminação e abuso', alerta carta conjunta assinada com diversos países
-Publicidade-
Mulheres seguram cartazes contra o Talibã em rua de Cabul, capital do Afeganistão | Foto: Divulgação/Mídias Sociais
Mulheres seguram cartazes contra o Talibã em rua de Cabul, capital do Afeganistão | Foto: Divulgação/Mídias Sociais

O Brasil assinou uma carta conjunta, com diversas nações, manifestando “profunda preocupação com as mulheres e moças afegãs e com seus direitos à educação, ao trabalho e à liberdade de circulação”, depois que o Talibã tomou o Afeganistão.

A carta, divulgada nesta quarta-feira, 19, defende ajuda humanitária. “É necessário impedir todas as formas de discriminação e abuso. Na comunidade internacional, estamos dispostos a prestar-lhes ajuda humanitária e apoio, para garantir que as vozes delas possam ser ouvidas”, diz o comunicado.

Leia mais: “A tragédia do Afeganistão envergonha o Ocidente”, artigo de Tim Black, da Spiked, publicado na Edição 73 da Revista Oeste

-Publicidade-

Conforme Oeste noticiou, quando o grupo islâmico extremista governou o país por cinco anos, entre 1996 e 2001, a educação de meninas e o trabalho feminino ficaram proibidos. “Acompanharemos com atenção o modo como serão garantidos, por qualquer futuro governo, os direitos e liberdades que se tornaram parte integrante da vida das mulheres e meninas no Afeganistão durante os últimos vinte anos”, diz o texto.

Leia também: “Com Talibã no poder, mulheres afegãs têm liberdades preservadas, brinca Canal Hipócritas”

Além do Brasil, assinaram o manifesto: Albânia, Argentina, Austrália, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Estados Unidos da América, Guatemala, Honduras, Macedónia do Norte, Noruega, Nova Zelândia, Paraguai, Salvador, Senegal, Suíça, Reino Unido e União Europeia.

Leia: “Vídeo mostra mulheres protestando contra o Talibã”

 

 

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário

  1. Sociedade ginocentrista é assim: apenas se falam das mulheres, como se fossem deusas imaculadas.
    E as centenas de milhares de homens assassinados, torturados, roubados e mortos? Garanto que o saldo de opressão e mortes é muito maior para eles.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro