Carro usado por líder do Talibã após ataques de 11 de setembro é desenterrado depois de 20 anos

Veículo pertencia ao fundador do grupo, Mullah Mohammad Omar
-Publicidade-
Grupo diz que o carro foi desenterrado por ordem do atual líder
Grupo diz que o carro foi desenterrado por ordem do atual líder | Talibã

O veículo utilizado pelo fundador do Talibã, Mullah Mohammad Omar, para se esconder depois do atentado terrorista de 11 de setembro nos EUA, foi desenterrado na província de Zabul, no leste do Afeganistão. O Toyota Corolla Branco ficou embaixo da terra por mais de duas décadas.

De acordo com o Talibã, o veículo foi desenterrado por ordem do atual líder do grupo, Abdul Jabbar Omari, para ser exposto no museu nacional de Cabul como “um grande monumento histórico”. O memorial já abriga carros e carruagens de primeiros-ministros e ex-reis do país.

“O homem que viajou neste carro participou dos eventos mais incríveis da história”, escreveu no Twitter Anas Haqqani, influente figura do governo que controla o Afeganistão. “Ele confiou em Deus Todo-Poderoso, comandou (as forças do Talibã) em uma guerra desigual contra dezenas de países invasores e venceu.”

-Publicidade-

Segundo Rahmatullah Hammad, diretor de informação e cultura da província de Zabul, o Toyota foi encontrado em boas condições. “Apenas a parte da frente está um pouco danificada”, disse à AFP. “Este veículo foi enterrado pelos combatentes como um memorial a Omar em 2001 para evitar que fosse perdido.”

Líder do Talibã

O Talibã anunciou a morte de Mullah Mohammad Omar em 2015. De acordo com o grupo, o líder morreu devido a uma doença, que não foi informada. “Ele morreu em um hospital de Karachi em abril de 2013 sob circunstâncias misteriosas”, afirmou Haseeb Sediqi, o porta-voz do serviço de inteligência.

O aliado de Osama Bin Laden não era visto publicamente desde 2001. Segundo Sediqi, o fundador do Talibã foi enterrado na província de Zabul, local onde o carro utilizado para fuga foi desenterrado.

jms-related-posts ids=”590796″]

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Lula tem acenado com várias propostas de cunho esquerdista radical em 2022, tais como revisão de privatizações, descontrole de gastos públicos, aumento de impostos volta da CPMF, libertação de bandidos, apoio financeiro a Cuba e Venezuela, perseguição a membros da Operação Lava Jato e partidos de oposição (direita), banimento de jornais e emissoras de oposição e maior abertura da economia brasileira ao capital chinês, inclusive à colaboração militar;

    Em termos geopolíticos, Lula presidente afasta o Brasil dos EUA e nos aproxima da China e da Rússia, que têm interesse em colocar mais bases militares na América do Sul, Atlântico Sul e Pacífico;

    Lula não pode ser eleito e, caso seja eleito, deve-se providenciar alguma maneira de impedi-lo de assumir.

    1. O que mais me chama a atenção é o fato de falarem em “um grande monumento histórico” e que “o homem que viajou neste carro participou dos eventos mais incríveis da história”, como se tivesse sido algo extremamente positivo para a humanidade, e o Twitter não faz nenhuma censura. Se falarmos dos erros e falhas da pandemia o poste é retirado, a conta pode ser cancelada, ou seja, recebemos todo o tipo de censura pela nossa opinião, mas os terroristas podem se vangloriar impunemente de suas “conquistas”, pode comemorar suas atrocidades. Se é assim, então liberem os comentários racistas, antissemitas e homofóbicos, deixem os nazistas exaltarem Hitler. Pra mim são “dois pesos e duas medidas”!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.