Chile define grupo responsável por substituir Carta Magna liberal

A maioria dos constituintes é de oposição ao governo; novo texto deve representar guinada à social-democracia
-Publicidade-
O presidente do Chile, Sebastián Piñera
O presidente do Chile, Sebastián Piñera | Foto: Divulgação/Governo do Chile

A Carta Magna liberal do ex-presidente do Chile Augusto Pinochet (1973-1990) será extinta. No domingo 16, a população definiu os 155 legisladores que vão redigir uma nova Constituição. De centro direita, a coalização do chefe do Executivo, Sebastián Piñera, não conseguiu garantir 1/3 dos assentos no órgão. Somados, os candidatos apoiados pelo Poder Executivo conseguiram apenas 1/5 das vagas. A maioria dos representantes eleitos será de candidatos independentes e de esquerda, com 2/3 das cadeiras. Os 155 delegados terão um mandato de dois anos para elaborar o novo documento.

Segundo a “Justiça eleitoral” do país, mais de 6 milhões de votos foram emitidos, entre válidos, nulos e em branco. O país tem pouco menos de 19 milhões de habitantes. Em outubro de 2019, o Chile foi alvo de manifestações violentas capitaneadas pela extrema esquerda. Os protestos reivindicavam mais direitos sociais, que devem pautar o novo texto a ser escrito. À época, Piñera acenou aos manifestantes com medidas social-democratas e acenos populistas à oposição. No entanto, foi pressionado pela classe política a convocar o plebiscito que escolheu ontem os constituintes.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

9 comentários Ver comentários

  1. É pena que mais um País próspero e belo sucumba ao terror socialista! Quem ainda não visitou ou não conheceu, faça nos próximos 5 anos, porque sua destruição não passa disso!

  2. Uma constituinte elaborada por maioria esquerdista será a ruína do Chile. Porão todo tipo de lixo na constituição e subjugarão o Estado a uma amarra impossível de ser removida, além de ser a estrada na qual pousará a falência econômica. Pobre Chile.

  3. A América Latina e seu eterno complexo de auto-sabotagem. O Liberalismo no Chile ia bem mas o Marxismo terrorista conseguiu deslocar o eixo ideológico para a esquerda. Agora teremos mais uma sociedade de “direitos” para uma casta de apaniguados.

  4. Ou seja: o país sul-americano que mais era admirado por seu liberalismo econômico e prosperidade relativa sucumbirá ao comunismo das “Constituições Cidadãs” – a imbecilidade humana não tem limites mesmo.

  5. O Chile se tornou um dos países mais prósperos da América do Sul, como pode ser constatado pelo seu alto IDH e renda per capita.
    Mas essas boas condições não interessam aos grandes grupos estrangeiros que necessitam desestabilizar países da América do Sul para que lhes sejam facilitadas as incursões de domínios, inclusive territoriais; a velha, tradicional e conhecida atividade colonial, quer seja enraizada na própria cultura dos povos ou motivadas pelas cabeças de totalitaristas megalomaníacos.
    E é dessa forma que as cabeças dos inconsequentes e idiotas úteis de lá, também trabalham contra o próprio país, tais quais como os daqui a corrupção intelectual e cultural dispensa o uso de armas tradicionais, nada muda, apenas o endereço.
    Parece que o Chile com essa Constituinte produzirá algo mais próximo à nossa Constituição de 1988, escrita na ocasião por doutrinados e por uma parcela de guerrilheiros traidores e terroristas, retornados ao Brasil pela infeliz Lei da Anistia.
    O Chile, já fora de prumo e de controle, vira seu rumo na mesma direção da Venezuela e da Argentina.
    O que não faz essa doença do esquerdismo de perverso à humanidade!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.