Comissão independente aponta falhas da OMS na pandemia

Especialistas sugerem, ainda, reformas na entidade
-Publicidade-
Tedros Adhanom Ghebreyesus é diretor-geral da OMS
Tedros Adhanom Ghebreyesus é diretor-geral da OMS | Foto: Reprodução/Flickr

A Organização Mundial da Saúde (OMS) deve ser reformada e ter mais autoridade para investigar ameaças globais provocadas por doenças, aponta relatório de uma comissão de especialistas independentes. De acordo com o estudo, existem falhas, lacunas e atrasos que permitiram ao surto de coronavírus, registrado pela primeira vez na China em dezembro de 2019, transformar-se em pandemia.

Segundo a comissão, presidida pela ex-primeira-ministra da Nova Zelândia Helen Clark e a ex-presidente da Libéria Ellen Johnson Sirleaf, a OMS deveria ter declarado o surto do novo coronavírus como uma emergência internacional antes da data em que o fez, 30 de janeiro de 2020. Consequência do equívoco da instituição foram as medidas brandas adotadas pelos governos nacionais, que não conseguiram conter o avanço da doença.

O relatório, encomendado no ano passado pela própria OMS, vinculou a gravidade do surto global a deficiências nos governos, na própria entidade e em outras organizações multilaterais. “A situação em que nós nos encontramos hoje poderia ter sido evitada”, afirmou Ellen Johnson Sirleaf, em entrevista via Zoom. “Isso se deve, em parte, ao fracasso em aprender com o passado”, completou a ex-presidente da Libéria.

-Publicidade-

Leia também: “Como surgiu o novo coronavírus?”, reportagem da Dagomir Marquezi publicada na Edição 43 da Revista Oeste

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.