Coração de porco transplantado em homem estava infectado

“Sei que é um tiro no escuro, mas é minha última opção”, disse David Bennett, que morreu em 9 de março deste ano
-Publicidade-
O cirurgião Bartley P. Griffith, ao lado do paciente David Bennett, antes da cirurgia
O cirurgião Bartley P. Griffith, ao lado do paciente David Bennett, antes da cirurgia | Foto: Reprodução/Universidade de Maryland

David Bennett, de 57 anos, morreu em 9 de março deste ano. Dois meses antes, em 7 de janeiro, ele havia se tornado o primeiro homem a receber o transplante de um coração de porco. Recentemente, a revista científica MIT Technology Review informou que a presença de um vírus suíno pode ter contribuído para o falecimento do norte-americano.

De acordo com o médico Bartley Griffith, cirurgião de transplantes da Universidade de Maryland, onde o procedimento ocorreu, depois de 20 dias da cirurgia, um teste identificou a presença do vírus. Entretanto, por conta do nível do vírus encontrado ter sido “tão baixo”, a causa do óbito foi descartada na época.

A verdade por trás da morte de David Bennett começou a ser revelada após um mês da cirurgia inédita, que contou com autorização emergencial da Food and Drug Administration (FDA, na sigla em inglês, equivalente à Anvisa dos EUA). Em fevereiro, os testes revelaram um aumento do vírus suíno no coração transplantado.

-Publicidade-

Relembre o caso

Em comunicado, o hospital informou que Bennett conseguiu falar com a família horas antes de morrer. A nota cita “cuidados paliativos compassivos” depois que o quadro dele foi considerado irreversível.

Conforme informações da equipe médica, o coração de porco transplantado funcionou “muito bem” até os primeiros “45 ou 50 dias”, sem sinais de rejeição. “Infelizmente, múltiplos órgãos começaram a falhar, e acho que isso resultou em sua morte”, disse Muhammad M. Mohiuddin, diretor científico do programa de xenotransplante (enxerto entre espécies diferentes) cardíaco da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland.

Sem opções

O paciente foi informado dos riscos do procedimento inédito. Ele aceitou fazer o transplante com o coração de porco porque era considerado muito doente para receber o órgão de um doador humano.

“Ou eu faço esse transplante ou morro”, teria dito o paciente antes da cirurgia, segundo funcionários do hospital. “Quero viver. Sei que é um tiro no escuro, mas é minha última opção.”

Antes do transplante

Com sede em Blacksburg, Virgínia, a Revivicor, empresa especializada em medicina regenerativa, forneceu o coração de porco. O animal passou por dez alterações genéticas. Dentre elas, a exclusão ou a desativação de quatro genes — incluindo o responsável por causar a rejeição humana. Além disso, o gene de crescimento também foi retirado. A equipe ainda utilizou um medicamento experimental para impedir que o corpo do paciente rejeitasse o órgão.

Antes da tentativa em humanos, o médico Muhammad Mohiuddin, professor de cirurgia na Escola de Medicina da Universidade de Maryland e criador do programa de xenotransplantes junto com Griffith, já havia transplantado com sucesso um coração de porco para um babuíno.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.