Covid-19: média de mortes de Taiwan é quase 20 vezes menor que a mundial

Menos de mil pessoas morreram coma doença no país que tem quase 24 milhões de habitantes
-Publicidade-
Tsung-Che Chang, representante de Taiwan no Brasil
Tsung-Che Chang, representante de Taiwan no Brasil | Foto: Afonso Marangoni/Revista Oeste

Com quase 24 milhões de habitantes, Taiwan registrou menos de mil mortes relacionadas à covid-19, desde que a doença surgiu na vizinha China continental. No país que luta para se manter independente de Pequim — e do comunismo — 847 moradores haviam morrido com o novo coronavírus, até a manhã desta quinta-feira, 28. Isso significa que a cada milhão de taiwaneses, 35 foram vítimas da pandemia. Em comparação com a média mundial nessa mesma proporção (638), o resultado é quase 20 vezes mais baixo.

Em 18 maio, Oeste entrevistou o representante do governo taiwanês no Brasil, Tsung-Che Chang, para entender a chave do sucesso. Em fevereiro de 2020, enquanto ocorria o carnaval brasileiro, Taiwan já vazia um rígido controle de fronteiras e a testagem em massa de seus cidadãos.

“Em 2019, quando reparamos esse fenômeno lá em Wuhan, em que as pessoas começaram a sair à rua de máscara, perguntamos outra vez aos chineses, nossos vizinhos, o que estava passando lá, e eles disseram ‘está tudo bem, tudo sob controle’. Quando ouvimos isso, logo adotamos o sistema contra pandemia, fechamos a fronteira e ativamos esse sistema que estava preparado desde 2003. Agora já estávamos preparados”, lembra Chang.

-Publicidade-

Na época do encontro, apenas 12 habitantes haviam morrido com a covid-19 na ilha. A maior parte das centenas de mortes que vieram depois ocorreram entre os dias seguintes e o fim de junho. De acordo com o registro feito pela agência Reuters. Desde o dia 27 de junho, a contagem diária de vítimas não chega a 10.

Em primeiro de julho, apenas 0,2% da população local havia completado o ciclo vacinal contra a doença, de acordo com a monitoria feita pelo site Our World In Data — vinculado à Universidade de Oxford. Hoje, o país tem 30% de sua população completamente imunizada.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. É isso que o carnaval no Brasil fez no ano passado e vai fazer mais no próximo. Mas aí está tudo liberado né, para esse pessoal se divirtir e causar não tem problema. Apenas o Bolsonaro será sempre culpado por tudo!

  2. Mas que merda é essa da Oeste ficar chamando de imunizante algo que não causa imunidade??? Vão dar pano pra essa narrativa até quando?

  3. lembrando a todos que procurem o video do DORiA dizendo que a doença não era uma doença seria, e que o carnaval deveria continuar, porque viado adora carnaval e o doria é um viadão da porra. e depois do carnaval, tudo começou, milhões de pessoas jurídicas morreram de fome e falta de renda, pessoas ficaram e casa recebendo se salario integral, crianças que tinham nas escolas sua fonte de alimentação, foram proibidas de se alimentar, e o viadão do Doria está hoje fazendo dancinha de viado em cima de mesas de streep_politc, sei que o que ele quer é roçar seuas anus em uma polidance_politic lá no planalto, e pra isso ele governou o estado que mais matou pelo COVID.
    Eu rezo pela morte de Joao DOria e seus parentes mais proximos.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.