Depois de escândalo, Facebook tenta acalmar funcionários

Mark Zuckerberg se reuniu com a equipe e foi questionado sobre depoimento de ex-funcionária
-Publicidade-
Zuckerberg tenta lidar com as consequências das denúncias
Zuckerberg tenta lidar com as consequências das denúncias | Foto: Reprodução/Mídias Sociais

O presidente executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, foi questionado por funcionários sobre o depoimento de Frances Haugen, ex-gerente de produtos da big tech, que, na semana passada, denunciou a empresa no Congresso sobre os danos causados pela rede social.

Sem mencionar Frances, Zuckerberg passou cerca de 20 minutos falando sobre quem fez a denúncia, o depoimento dessa pessoa e da recente cobertura da imprensa. Zuckerberg disse ainda que algumas das declarações da testemunha, acerca de como a plataforma polariza as pessoas, eram “muito fáceis de desmascarar”. As informações são do jornal News York Times, que teve acesso a uma gravação da reunião.

Leia mais: “China, espionagem e violência: o depoimento da ex-funcionária que revelou o escândalo do Facebook”

-Publicidade-

Os comentários de Zuckerberg fazem parte de um esforço interno do Facebook para lidar com as consequências das revelações de Frances. Mesmo que os executivos tenham questionado publicamente a credibilidade da delatora e dito que as acusações dela eram infundadas, eles têm sido igualmente atuantes com posicionamentos dentro da empresa. O objetivo é manter a boa vontade de mais de 63 mil trabalhadores e dissipar suas preocupações.

Leia também: “Os novos senhores do mundo”, artigo de Ana Paula Henkel publicado na Edição 43 da Revista Oeste

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.