Depois de quase 3 anos, princesa saudita deixa a cadeia

Basmah bint Saud, de 57 anos, foi presa com uma de suas filhas em 2019, quando ela estava prestes a viajar para a Suíça
-Publicidade-
A princesa Basmah bint Saud estava presa desde 2019
A princesa Basmah bint Saud estava presa desde 2019 | Foto: Reprodução/Flickr

A Arábia Saudita libertou a princesa Basmah bint Saud e sua filha Souhoud depois de quase três anos após ser detida sem ter sido acusada formalmente.

Não está claro ainda o porquê de sua liberação repentina, ocorrida na quinta-feira 6. As autoridades sauditas não se manifestaram sobre o assunto.

A princesa de 57 anos foi presa com uma de suas filhas, Souhoud al Sharif, em 2019, quando estava prestes a viajar para a Suíça para tratamento de um problema cardíaco.

-Publicidade-

A prisão só foi conhecida publicamente nove meses depois, quando seus parentes vazaram a história para a imprensa. Ela chegou a publicar uma carta no Twitter pedindo sua libertação porque sua saúde estava “se deteriorando”.

Ao anunciar sua libertação na noite de sábado 8, o grupo saudita de direitos humanos ALQST lembrou que “em nenhum momento durante sua detenção foi feita qualquer acusação contra ela”.

Um conselheiro da princesa, Henri Estramat, confirmou à agência de notícias Reuters que “as duas mulheres foram libertadas da sua detenção arbitrária e chegaram à sua casa em Jeddah na quinta-feira, 6 de janeiro”.

Segundo a fonte, “a princesa está bem, mas vai procurar orientação médica”.

Alguns amigos próximos atribuíram a detenção à sua defesa de uma reforma constitucional e dos direitos das mulheres.

Outras prisões da família real

Desde a ascensão do príncipe Mohammed bin Salman, vários críticos foram detidos, incluindo uma dúzia de príncipes.

Vários deles ocuparam cargos importantes à frente das agências de segurança, como governadores ou no mundo dos negócios.

A princesa, no entanto, não se encaixava nesse perfil. Além disso, ela foi trancada em uma prisão nos arredores de Riad conhecida por receber criminosos e jihadistas, ao invés da prisão domiciliar que costumava ser usada com mulheres da família real.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.