Dívida externa: Rússia entra em ‘calote seletivo’, o 1º desde 1917

As agências de avaliação alegam que, na prática, as sanções impostas pelo Ocidente impedem que o país negocie seus títulos
-Publicidade-
O Kremlin afirmou que tomará medidas legais contra o Ocidente, se for forçado a dar um calote
O Kremlin afirmou que tomará medidas legais contra o Ocidente, se for forçado a dar um calote | Foto: Reprodução/Flickr

A agência de classificação de risco S&P cortou a nota de crédito da Rússia para “calote seletivo” no fim de semana, depois de o país não ter honrado o pagamento de títulos de sua dívida externa na semana passada.

É o primeiro calote externo do país desde a Revolução de 1917, quando os bolcheviques não reconheceram a dívida do período czarista.

Nem mesmo na crise das dívidas dos anos 1990, quando a economia do país foi a colapso em 1998, o país entrou em moratória externa. Na época, o calote foi só em sua dívida interna.

-Publicidade-

A S&P foi a primeira das três grandes agências de risco a declarar o calote russo. A agência também confirmou que vai deixar de acompanhar as negociações de bônus da Rússia a partir de 15 de abril. O mesmo será feito pela Moody´s e pela Fitch.

As agências de avaliação alegam que, na prática, as sanções impostas pelo Ocidente depois da invasão da Ucrânia impedem que o país negocie seus títulos e que, por isso, decidiram abandonar a cobertura dos papéis.

“As sanções impostas à Rússia devem ser intensificadas nas próximas semanas, impedindo habilidade técnica e a disposição do país para honrar termos e condições de suas obrigações com credores externos de sua dívida”, informou a S&P, em nota divulgada no sábado 9.

Na segunda-feira 4 de abril, venceram dois pagamentos da dívida externa russa, de mais de US$ 600 milhões.

Na ocasião, o Tesouro norte-americano bloqueou o acesso de Moscou às reservas internacionais. O país tem cerca de US$ 640 bilhões em reservas estrangeiras, e metade desse valor já estava bloqueada devido às sanções.

Mas o governo dos EUA vinha permitindo que os recursos fossem usados para honrar compromissos com credores. Na segunda-feira passada, os norte-americanos mudaram a estratégia, apertando ainda mais o cerco aos russos.

A Rússia, então, fez o pagamento em rublos e afirmou que, assim, estava cumprindo suas obrigações. Mas os títulos são denominados em dólar ou euro, e, por isso, o pagamento deve ser feito nessas moedas.

Nesta segunda-feira, 11, o ministro das Finanças da Rússia, Anton Siluanov, disse ao jornal pró-Kremlin Izvestia que tomará medidas legais contra o Ocidente, se for forçado a dar um calote.

“É claro que vamos processar, porque tomamos todas as medidas necessárias para garantir que os investidores recebam seus pagamentos”, afirmou Siluanov, em entrevista ao jornal.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Esta informação vem de fontes confiáveis:

    Sob a zona industrial de Azovstal, de propriedade do oligarca Rinat Akhmetov, o suposto filho ilegítimo do ex-presidente ucraniano Kuchma, existem 24 km de túneis a uma profundidade de até 30 metros.

    Há também uma instalação secreta da OTAN PIT-404 e um laboratório secreto de armas biológicas da OTAN. Oficiais da OTAN estão trancados na instalação PIT-404. Os túneis estão equipados com um sistema de bunker blindado.

    Cerca de 240 estrangeiros estão no prédio, incluindo oficiais da OTAN e da Legião Estrangeira Francesa, bem como funcionários do laboratório biológico.. Seus guardas, financiados por Akhmetov, chegam a 3.000 pessoas.

    O laboratório biológico sob a planta Azovstal em Mariupol, no que é conhecido como instalação PIT-404 – construído e operado pela Metabiota, uma empresa ligada a Hunter Biden, Rinat Akhmetov e Volodymyr Zelensky.

    O teste de armas biológicas foi realizado nos laboratórios desta instalação. Milhares de moradores de Mariupol se tornaram “cobaias” nesses testes horríveis. E foram principalmente “especialistas” ocidentais que participaram desses experimentos desumanos.

    Oficiais de inteligência franceses e oficiais das forças especiais não conseguiram tirar seus camaradas de Mariupol. É por isso que Macron ligou tantas vezes para o Kremlin, pedindo “corredores humanitários”.

    Alguns oficiais de inteligência franceses morreram na operação de resgate. O chefe da inteligência francesa, Eric Videaux, foi demitido em 31 de março de 2022 por falhas da inteligência francesa na guerra na Ucrânia.

    Oficiais dos EUA, Canadá, Alemanha, França, Itália, Turquia, Suécia, Polônia e Grécia estão agora presos nas masmorras de Azovstal. O tenente-general norte-americano Roger Clothier, que foi recentemente capturado pela milícia popular DNR de um helicóptero abatido, foi rastreado pelo Serviço de Inteligência Militar russo (GRU) e Serviço de Inteligência Estrangeira russo (SVR) em Mariupol a partir da vigilância externa de seus entes queridos na Turquia em Izmir.

    A cidadã ucraniana, conhecida pelo serviço secreto como Klute, sempre acompanhou o general como esposa viajante, confidente e intérprete. Assim que recebeu a informação de que essa mulher havia chegado a Mariupol, a Rússia lançou uma operação militar e bloqueou a cidade.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.