Em novembro, EUA derrubarão restrições para viajantes vacinados

Brasil seria um dos beneficiados pela flexibilização; governo não divulga quais vacinas serão aceitas para entrada no país
-Publicidade-
Viajantes internacionais poderão entrar nos Estados Unidos a partir de novembro
Viajantes internacionais poderão entrar nos Estados Unidos a partir de novembro | Foto: Reprodução

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira, 20, que vai suspender as restrições para viajantes internacionais a partir de novembro. A medida valerá para os adultos que estiverem totalmente vacinados contra a covid-19 — ou seja, que tenham tomado as duas doses da vacina ou a dose única da Janssen.

O anúncio foi feito por Jeff Zients, coordenador de combate à pandemia da Casa Branca. Em princípio, a suspensão das restrições valerá para 33 países, entre os quais o Brasil. Mas a oficialização da lista dos países ainda não foi feita. Também não foi divulgada a data exata do início da liberação.

Leia mais: “Vamos vacinar crianças de até 5 anos antes do fim do ano, diz Fauci”

-Publicidade-

Além do comprovante de vacinação antes do embarque, os viajantes vindos de outros países deverão apresentar um teste PCR negativo para covid-19 realizado três dias antes da viagem para os EUA. Até o momento, o governo norte-americano não especificou quais vacinas serão aceitas pelas autoridades sanitárias do país.

“As viagens internacionais são essenciais para conectar famílias e amigos, para abastecer pequenas e grandes empresas, para promover o intercâmbio de ideias e cultura. É por isso que, com a ciência e a saúde pública como nossas guias, desenvolvemos um novo sistema de viagens aéreas internacionais, que aumenta a segurança dos americanos e amplia a segurança das viagens internacionais”, afirmou Zients.

Leia também: “Pfizer alega que sua vacina contra o coronavírus é segura para crianças entre 5 e 11 anos”

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês) emitirá ainda uma ordem de rastreamento de contato, exigindo que as companhias aéreas reúnam informações detalhadas sobre os viajantes com destino ao país. As empresas serão obrigadas a manter esses dados por pelo menos 30 dias.

“Isso permitirá que o CDC e as autoridades estaduais e locais de saúde pública acompanhem os viajantes que chegam e as pessoas ao seu redor, caso alguém tenha sido potencialmente exposto à covid-19 e a outros patógenos”, disse Zients.

Leia também: “Bolsonaro e comitiva comem pizza na rua em Nova York”

Com informações do Financial Times e da CNN.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. Porque não em janeiro ou porque não em outubro ? As dezenas de milhares de imigrantes clandestinos estão vacinados? Fizeram teste de PCR? É muita $iência…

    1. Não !
      Mas terá que fazer exames três dias antes de viajar e apresentar o comprovante .
      Mas vale a pena .
      Melhor que tomar essas vacinas em testes e correr o risco .

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.