EUA culpam príncipe saudita por execução de jornalista

É o que aponta um relatório dos serviços de inteligência do país
-Publicidade-
Mohammed bin Salman é o príncipe herdeiro da Arábia Saudita
Mohammed bin Salman é o príncipe herdeiro da Arábia Saudita | Foto: Reprodução/Flickr

Um relatório dos serviços de inteligência dos Estados Unidos divulgado ontem, quinta-feira 25, afirmou que o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, no consulado saudita em Istambul, em 2018, teve o consentimento do príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman. O país nega que o príncipe, de 35 anos, tenha aprovado a execução. O documento foi divulgado após conversa telefônica entre o presidente dos EUA, Joe Biden, e o rei saudita Salman. Segundo comunicado da Casa Branca, Biden disse no telefonema que trabalharia por laços bilaterais “fortes e transparentes”. Um comunicado da agência de notícias saudita também divulgou nota positiva. Nenhum dos dois comunicados mencionou o relatório sobre o assassinato de Khashoggi. Uma fonte consultada pela agência Reuters assegurou que a inteligência esperava a ligação entre os líderes para depois publicar o relatório. A divulgação do material sobre a morte de Khashoggi, um crítico às políticas do príncipe herdeiro, é parte da recalibração de Biden das relações entre os EUA e a Arábia Saudita.

Leia também: “Por que os democratas querem os imigrantes ilegais”, artigo de Ana Paula Henkel publicado na Edição 49 da Revista Oeste

-Publicidade-

Com informações do Valor Econômico

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.