EUA: empresa contrária ao aborto oferece dinheiro a mães que tiverem seus filhos

Pequena companhia de seguros do Texas vai na contramão das grandes corporações e oferece pagar despesas médicas para pais ficarem com as crianças ou darem à adoção
-Publicidade-
Anúncio foi feito na página do Facebook da empresa, após decisão da Suprema Corte
Anúncio foi feito na página do Facebook da empresa, após decisão da Suprema Corte | Foto: Divulgação/Agência Brasil

Com a revogação, pela Suprema Corte dos Estados Unidos, em 24 de junho, do precedente Roe vs Wade, jurisprudência de 1973 que tornou o aborto um direito constitucional, grandes corporações, como Apple, Microsoft e Starbucks, se prontificaram a pagar as viagens de suas funcionárias para Estados onde a interrupção da gravidez ainda é permitida. Em vez de entrar na onda dos gigantes e aderir ao grupo para alavancar os negócios de alguma forma, uma pequena companhia de seguros do Texas fez o oposto: assumiu ser contra o aborto e decidiu patrocinar a vida. 

Em sua página no Facebook, a Buffer Insurance anunciou, no dia 27 de junho, que vai pagar as despesas médicas para que os funcionários ou as esposas tenham seus filhos e ainda uma licença remunerada após o nascimento do bebê. Também assegurou que irá arcar com os custos médicos, caso os pais decidam por dar o filho à adoção.

Com a decisão da Suprema Corte, o aborto nos Estados Unidos passou a ser uma competência estadual, ou seja, cabe a cada Estado norte-americano definir e editar leis proibindo ou regulamentando a prática. No Texas, desde setembro de 2021, o aborto é ilegal a partir da sexta semana de gestação, quando o coração do bebê pode ser ouvido. Até então, o aborto no Estado era permitido até 20 semanas.

-Publicidade-

Pelo menos nove Estados já proibiram totalmente o aborto e outros 12 devem adotar a mesma medida.

A própria presidente da Câmara, Nancy Pelosi, do Partido Democrata, sugeriu que as empresas financiem viagens de aborto a seus funcionários. Outras empresas, incluindo a Disney e Amazon,  já anunciaram política de custeio de viagens para que seus funcionários possam fazer abortos em Estados onde a prática é permitida.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Grandes empresas, “grandes negócios”, custa mais barato monetariamente um assassinato do que manter a licença de 6 meses para as funcionárias. Maaasss, irão usar o que para enganar a consciência pelo assassinato?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.