EUA vão reagir em caso de incursão militar russa na Ucrânia

É o que diz o chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken
-Publicidade-
Antony Blinken é o chefe da diplomacia dos Estados Unidos
Antony Blinken é o chefe da diplomacia dos Estados Unidos | Foto: Reprodução/Flickr

O chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Antony Blinken, assegurou nesta quinta-feira, 20, que eventual avanço militar russo na fronteira com a Ucrânia implicará reação direta das Forças Armadas norte-americanas.

“Sempre fomos muito claros: qualquer transgressão por forças militares russas na fronteira ucraniana para cometer novos atos de agressão terá uma resposta severa dos Estados Unidos e de seus aliados”, advertiu Blinken após um encontro com Annalena Baerbock, diplomata alemã.

Washington e Moscou seguem buscando uma saída diplomática para resolver o conflito geopolítico que envolve a Ucrânia. Na próxima sexta-feira, 21, Blinken se reunirá com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, em mais uma tentativa de acalmar os ânimos.

-Publicidade-

Britânicos entram em cena

De longe, o Reino Unido observa o conflito geopolítico que se desenha na Europa. Na última segunda-feira, 17, o ministro da Defesa britânico, Ben Wallace, anunciou que a ilha insular fornecerá armamento para a Ucrânia. De acordo com o chefe da pasta, o objetivo é melhorar a capacidade defensiva de Kiev. “Isso não significa uma ameaça à Rússia”, declarou.

Em 2021, Reino Unido e Ucrânia firmaram um acordo de colaboração militar que envolve, entre outros pontos, programas de treinamento e construção de embarcações armadas. Segundo Wallace, representantes britânicos viajarão para Kiev a fim de encomendar novas armas e realizar treinamentos.

Guerra à vista

Conforme noticiou Oeste, o impasse nas negociações entre Estados Unidos e Rússia sobre a situação geopolítica da Ucrânia deixou a Europa à beira de um conflito bélico. As saídas diplomáticas estão se esgotando, e a possibilidade de uma guerra não está descartada. Clique aqui para ler a reportagem completa.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Nada que uma boa diplomacia não resolva. Vocês deixam a Venezuela para nós EUA e podem ficar com a Ucrânia.
    Aliados? A grana, ouro, petróleo resolve mais.
    Também, a tal ONU, OMS e etc , pura engana trouxas

  2. Isso provavelmente é cilada (phishing para pegar o IP de quem lê/comenta?). E está sendo armada em várias matérias aqui da Revista Oeste. O peixe morre pela boca e o homem pelos testículos.

    Em 2014, ano de eleições, vi isso acontecer no portal Yahoo!, quando lá se podia comentar as matérias. Depois ficou igual ao site do Granma de Cuba.

  3. Os russos não ameaçam. Eles invadem!

    Se o presidente dos EUA fosse o Trump, a esta altura já haveria uns cem Tomahawk aquecendo os motores. Lembram da Síria? Putin, com certeza, lembra. Segundo descreveu a Vilma Gryzinski, foi assim: “Boom! Boom! Boom!… e vai contando até chegar a 59”.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.