-Publicidade-

Ex-presidente da Bolívia ficará detida por quatro meses

Prisão é preventiva; Jeanine Áñez foi acusada pelo governo de esquerda de tramar um golpe de Estado
A ex-presidente da Bolívia Jeanine Áñez
A ex-presidente da Bolívia Jeanine Áñez | Foto: Senado da Bolívia/Fotos Públicas

A ex-presidente da Bolívia Jeanine Áñez ficará detida preventivamente por quatro meses. Ela foi presa no fim de semana sob acusação do governo de esquerda de Luis Arce de conspirar pela renúncia de Evo Morales. A decisão é da juíza Regina Santa Cruz. “Me enviam para quatro meses de detenção para esperar o julgamento por um ‘golpe’ que nunca aconteceu”, escreveu Áñez, no Twitter, no domingo 14. “Peço à Bolívia que tenha fé e esperança. Um dia, com todos, construiremos um país melhor”, acrescentou a ex-titular do Executivo.

Fraude eleitoral

Em dezembro de 2019, a Organização dos Estados Americanos (OEA) revelou que o então presidente e candidato a reeleição, Evo Morales, havia fraudado o pleito. Um relatório de quase 100 páginas descreveu violações, incluindo o uso de um servidor de computador secreto concebido para fazer a votação pender para Morales. “Dados os imensos indícios que encontramos, podemos confirmar uma série de operações mal-intencionadas que visaram alterar a vontade dos eleitores”, informou a OEA. Pressionado pelos militares, Evo fugiu do país. Na sequência, uma avalanche de demissões entre os sucessores previstos pela Constituição deram a Áñez a Presidência da República. Ela era vice-presidente do Senado.

Leia também: “Ex-presidente interina denuncia ‘perseguição política’ na Bolívia”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.