Ex-soldado preso por russos diz que sofreu tortura

Militares usaram músicas das bandas Slipknot e Abba
-Publicidade-
Nos seis meses em que ficou detido, o soldado afirmou que sofreu de forma contínua torturas e disse que foi alimentado só com rações de pão em mau estado e água
Nos seis meses em que ficou detido, o soldado afirmou que sofreu de forma contínua torturas e disse que foi alimentado só com rações de pão em mau estado e água | Foto: Reprodução/Notre Dame News

Em uma entrevista ao jornal The Sun no sábado 24, o ex-soldado britânico Shaun Pinner, um dos dez estrangeiros libertados na troca de prisioneiros entre Rússia e Ucrânia na semana passada, disse que foi torturado durante o período em que ficou como refém dos russos.

Segundo ele, assim que se entregou, foi eletrocutado e ferido com uma faca. Nos seis meses de detenção, o militar alegou ter sofrido, continuamente, torturas, além de comer apenas ração, pão e água.

De acordo com Pinner, um dos métodos de tortura era reproduzir músicas 24 horas, de modo a impedir que os prisioneiros dormissem. Canções de Abba e Slipknot compunham a lista dos russos.

-Publicidade-

Pinner conta que, se dormisse fora do período determinado pelos algozes, era espancado. “Nunca mais quero ouvir outra música do Abba na minha vida”, disse. “Eu odiava a banda antes, então realmente era uma tortura.”

O britânico foi capturado em abril pelos russos. Casado com uma ucraniana, ele havia servido ao Exército inglês antes e fora contratado pelo governo de Volodymyr Zelensky para lutar em Donbass, no leste ucraniano, e ocupada por separatistas russófonos. Moscou pretende anexar a região ao seu território.

Em junho, ele e outro combatente britânico, Aiden Aslin, foram condenados à morte pelos russos como mercenários em um julgamento.

Ambos foram soltos em uma grande troca de prisioneiros detidos em Mariupol. Além do grupo de dez estrangeiros do qual faziam parte, metade dos quais britânicos, outros 205 prisioneiros ucranianos ainda foram libertados pela Rússia. Kiev, em contrapartida, libertou 55 detidos russos.

Tortura e guerra: conflito entre Rússia e Ucrânia está longe de acabar

No fim de agosto, a invasão da Ucrânia pela Rússia completou seis meses. Sucessivas tentativas para se chegar a um acordo de paz não deram certo. As “sanções” ocidentais não surtiram os efeitos desejados na economia russa. E os invasores têm encontrado uma série de dificuldades no caminho para manter o controle administrativo de territórios que conseguiram ocupar. Seis meses depois do início do conflito, não há indícios de quando ele acabará.

“O mundo em que vivíamos até o dia 23 de fevereiro dificilmente voltará a existir”, avaliou Antonio Gelis Filho, doutor em administração de empresas e professor de geopolítica empresarial na Fundação Getulio Vargas em entrevista a Oeste. Para o especialista, o conflito entre os dois países não vai acabar tão cedo.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.