Farmacêutica dos EUA trabalha em novas versões para remdesivir mais fáceis de usar

Antiviral é considerado promissor no tratamento da covid-19
-Publicidade-
Foto: Gilead Sciences
Foto: Gilead Sciences

Antiviral é considerado promissor no tratamento da covid-19

remdesivir
Foto: Gilead Sciences

A biofarmacêutica norte-americana Gilead Sciences está desenvolvendo versões do antiviral remdesivir mais fáceis de administrar no tratamento contra a covid-19.

-Publicidade-

Segundo a agência Reuters, a ideia é que o medicamento possa ser usado fora de hospitais, incluindo por meio de inalação, depois que os testes mostraram eficácia moderada o medicamento administrado por infusão.

Até agora, o remdesivir demonstrou ajudar pacientes com covid-19, mas a Gilead e outras empresas estão procurando maneiras de fazê-lo funcionar melhor.

Para pacientes gravemente doentes, as farmacêuticas Roche e a Eli Lilly estão testando drogas em combinação com o remdesivir.

A Gilead também está tentando tratar o vírus mais cedo. Outros antivirais, como o comprimido de influenza Tamiflu, funcionam melhor quando administrados o mais cedo possível depois que alguém é infectado.

Em comunicado nesta segunda-feira, 1º, a empresa confirmou que está buscando maneiras de usar o remdesivir mais cedo no curso da doença, inclusive por meio de formulações alternativas.

De acordo com a Reuters, a empresa confirmou em um email que está pesquisando uma versão por meio de inalação, mas recusou mais comentários.

Eles disseram que, a longo prazo, a empresa está explorando uma formulação de injeção subcutânea de remdesivir, bem como versões de pó seco a serem inaladas.

O remdesivir não pode ser administrado como pílula, pois possui uma composição química que se degradaria no fígado, e a formulação intravenosa é usada apenas em hospitais.

A curto prazo, a Gilead está estudando como sua formulação IV existente de remdesivir pode ser diluída para uso com um nebulizador.

A ideia é que um nebulizador tornaria o remdesivir mais diretamente disponível para as vias aéreas superiores e o tecido pulmonar, já que o coronavírus é conhecido por atacar os pulmões. Também permitiria o tratamento precoce de pacientes com coronavírus que não são hospitalizados.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Fracasso absoluto esse Remdesivir. Além de caríssimo, o uso é hospitalar intravenoso. Não existe nenhuma comprovação científica nem observação clínica. Custa 25 mil reais por ser patenteada por esse laboratório Gilead Sciencs, que age oportunisticamente e tenta usar no Covide 19 um medicamento usado e sem sucesso no Ebola. As redes de TV no Brasil: CNN, Bandeirantes e Globo, todas compradas fazendo sem escrúpulos propaganda velada desse medicamento. Trinta comp.(30) de Reuquinol custava até pouco tem no Brasil 70 reais.menos de 3 tres reais por comprimidos. Num tratamento sem patente custa 18 reais o tratamento em cinco dias. Abaixo o Remdesivir!

  2. Não é verdade que o Remdesivir foi o único medicamento que se mostrou eficaz contra o covid19. Quer dizer que a revista Oeste também está divulgando essa versão mentirosa da grande mídia?? Já estou me arrependendo de ter assinado a revista!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.