-Publicidade-

Governo do Zimbábue rejeita rumores de golpe

Rumores estariam sendo espalhados por aliados do falecido ditador Robert Mugabe

De acordo com o Conselho Nacional de Segurança, boatos foram lançados por apoiadores de Robert Mugabe, derrubado em 2017

NSC - Mugabe - rumores - golpe
Uma rua em Harare, a capital do Zimbábue | Foto: Gary Bembridge/Flickr

O Conselho Nacional de Segurança do Zimbábue (NSC) acusou a oposição e defensores do ex-ditador Robert Mugabe de espalharem rumores de um golpe militar e afirmou que o país é estável.

O ditador Robert Mugabe, falecido em 2019, foi derrubado por um golpe militar após quase 30 anos no poder em 2017. O país estava passando pela maior crise econômica do mundo, com falta de produtos básicos e uma hiperinflação.

Veja também: “União Europeia pode perdoar dívida de países africanos”

O NSC é comandado pelo atual presidente do atual país, Emmerson Mnangagwa, um ex-aliado do ditador.

“Sem sombra de dúvidas, não há nenhum golpe em andamento”, afirmou o ministro dos Assuntos Internos, Kazembe Kazembe, que também é membro do NSC, informa a agência de notícias Reuters.

Autoritarismo

Desde das eleições de 2018, a primeira do país após o fim ditadura, o governo de Mnangagwa é acusado de utilizar as táticas do regime de Mugabe para reprimir os seus opositores.

Mais: “Trabalhador contamina 533 outros com covid-19 em fábrica de processamento de peixe em Gana”

A oposição também acusou o governo de utilizar pandemia para reprimir e retirar os direitos políticos.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comentários

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Envie-nos a sua opinião, sugestão ou crítica! Fale conosco
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês