-Publicidade-

Grupo de Lima não reconhece nova Assembleia Nacional da Venezuela

Brasil e outros 11 países classificaram a eleição parlamentar venezuelana como fraudulenta
Grupo de Lima classifica Nicolás Maduro de "chefe de ditadura"
Grupo de Lima classifica Nicolás Maduro de "chefe de ditadura" | Foto: Reprodução/Flickr

O Brasil e outros 11 países signatários do Grupo de Lima repudiaram na terça-feira 5 a instalação da Assembleia Nacional na Venezuela, classificando-a de “produto das eleições fraudulentas de 6 de dezembro de 2020, organizadas pelo regime ilegítimo de Nicolás Maduro”.

A declaração do Grupo de Lima trata Maduro como chefe de uma “ditadura”. Faz, ainda, um apelo à comunidade internacional para que “se una ao desconhecimento e ao rechaço dessa Assembleia Nacional ilegítima e apoie os esforços para a recuperação da democracia, do respeito aos direitos humanos e do Estado de Direito na Venezuela”.

Há um mês, em 6 de dezembro, quando o chavismo retomou o controle do Parlamento da Venezuela,  outra declaração conjunta assinada pelo Ministério das Relações Exteriores brasileiro e mais 16 países rejeitou o resultado daquelas eleições.

Leia também: “Venezuela: Oposição conclui consulta popular, que rejeita Maduro”

Com informações do Estadão Conteúdo

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês