Guiné é suspensa de bloco econômico da África após militares assumirem país

Missão irá conversar com as 'novas autoridades' para avaliar situação
-Publicidade-
Com bandeira da Guiné, o coronel Mamady Doumbouya, que liderou o golpe (centro da imagem) | Foto: Reprodução/Cellou Binani/AFP
Com bandeira da Guiné, o coronel Mamady Doumbouya, que liderou o golpe (centro da imagem) | Foto: Reprodução/Cellou Binani/AFP

Os países-membros da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Cedeao) decidiram suspender a Guiné das resoluções do bloco econômico. A medida, anunciada nesta quarta-feira, 8, acontece depois que militares tomaram o poder do país, localizado no oeste do continente. Além disso, a Cedeao pediu que “esta decisão também seja endossada pela União Africana e pelas Nações Unidas”. Sanções econômicas não foram mencionadas.

Leia mais: “Ministro russo morre tentando salvar cineasta”

O bloco econômico irá enviar uma “missão de alto nível” na quinta-feira 9 para Guiné, com intuito de “discutir com as novas autoridades”. Depois, eles voltarão a analisar a situação, a suspensão do país.

-Publicidade-

No último domingo, conforme Oeste noticiou, militares comunicaram em rede estatal terem assumido o governo e abolido a Constituição. Até o momento, não há informações sobre o paradeiro do presidente Alpha Condé, que estava à frente do país desde 2010.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro