Israel inicia estudo inédito com 4ª dose da vacina da Pfizer

O imunizante será aplicado em 6 mil pessoas, incluindo 150 profissionais de saúde
-Publicidade-
O país quer avaliar a eficácia da quarta dose do imunizante na população mais vulnerável
O país quer avaliar a eficácia da quarta dose do imunizante na população mais vulnerável | Foto: Divulgação/Freepik

O hospital Sheba, de Israel, deu início nesta segunda-feira, 27, a um ensaio clínico para testar a eficácia da quarta dose da vacina Pfizer/BioNTech contra a covid-19.

O imunizante será aplicado em 6 mil pessoas, incluindo 150 profissionais de saúde.

O estudo, o primeiro desse tipo no mundo, é realizado em coordenação com o Ministério da Saúde de Israel. O governo aguarda os resultados para começar a administrar a quarta dose à população com mais de 60 anos, com problemas de imunidade e trabalhadores da saúde.

-Publicidade-

“Este estudo vai testar o efeito da quarta dose de vacina no nível de anticorpos, prevenção da infecção e verificar a sua segurança”, disse o professor Gili Regev-Yochay, médico do Sheba.

As autoridades esperam que o resultado esclareça o benefício adicional de uma quarta dose. A expectativa é que os estudos apontem a qual público a imunização é mais recomendada.

De olho na quinta onda

Depois de o comitê consultivo de peritos ter aconselhado o início da campanha para a quarta dose em Israel, o primeiro-ministro, Naftali Bennett, prometeu iniciar o plano “imediatamente” para conter a quinta onda da pandemia e a propagação da variante Ômicron.

O diretor-geral do ministério, Nachman Ash, não deu “luz verde” para o início da quarta campanha de vacinação. Ele ainda quer analisar estudos e dados disponíveis sobre a eficácia da imunização.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Isso tudo é uma loucura só. Que tal procurar fazer um isolamento entre as pessoas, de maneira natural? Esse negócio aí, a meu ver, um olhar de leigo obviamente, só resolverá com medidas educativas com distanciamento, uso de máscaras eficientes em ambientes fechados, mesmo sabendo que isso também é muito difícil de se fazer em ambiente doméstico. E vamos parar com essa mania de se vacinarem eternamente, isso não dará certo, penso eu.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.