Jornalista da CNN que teve de usar véu em transmissão deixa o Afeganistão

A correspondente internacional Clarissa Ward publicou fotos dentro de um avião lotado de afegãos que fugiam do Talibã
-Publicidade-
Avião lotado parte do Afeganistão com a correspondente da CNN Clarissa Ward
Avião lotado parte do Afeganistão com a correspondente da CNN Clarissa Ward | Foto: Reprodução/Twitter

A repórter da CNN Clarissa Ward, que apareceu usando o hijab, tradicional vestimenta feminina islâmica, durante uma transmissão pela emissora norte-americana em Cabul, deixou o Afeganistão. A repórter publicou fotos em seu perfil no Instagram em que aparece dentro de um avião lotado de afegãos que fugiam do Talibã.

“Finalmente deixando Cabul. Pensando em todos aqueles que não podem partir, que estão esperando há dias ou que estão se escondendo em suas casas, com medo de partir”, escreveu a correspondente da CNN em uma de suas publicações. “Em nosso voo e nos preparando para a decolagem”, postou em sua conta no Twitter.

Leia mais: “Afeganistão: um dia depois da queda do governo, repórter da CNN aparece de véu em transmissão”

-Publicidade-

Ward, de 41 anos, tem experiência em coberturas de conflitos. Ela já esteve em Israel, no Líbano, no Iraque e na Síria, muitas vezes participando ao vivo da programação da CNN a poucos metros de regiões bombardeadas.

A jornalista mora em Londres com o marido, o alemão Philipp von Bernstorff, e os dois filhos do casal, de 1 e 3 anos de idade.

Leia também: “Membro do Talibã manda jornalista da CNN cobrir o rosto durante reportagem no Afeganistão”

Na segunda-feira 16, como noticiou Oeste, a repórter fez diversas aparições na CNN sem o hijab, que os extremistas do Talibã obrigam as mulheres a usarem. No dia seguinte, depois de a milícia ter retomado o poder no país, foi possível ver Ward com a vestimenta falando sobre a retirada das tropas norte-americanas e detalhando a situação em Cabul após a saída do presidente Ashraf Ghani.

Leia mais: “União Europeia não reconhece governo do Talibã no Afeganistão”

Durante uma das entrevistas que a profissional deu à CNN, o âncora da TV em Nova York manifestou preocupação com a correspondente, mas a jornalista disse que estava fora de perigo. “Está tudo bem, estamos bem”, respondeu.

Leia também: “Soldados dos EUA e de outros países salvam crianças no Afeganistão”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

6 comentários

  1. Na CNN Brasil, tem uma jornalista tantan, já meio idosa, que disse estar preocupada com os que morreram e correram atrás do avião sem máscara. Óbvio que não falou assim, mas com certeza pensou. Kkkkk. Não sei se é o jornalismo que está em outro mundo ou EU. Estou até desconfiando de MIM. kkkkkk

  2. Afinal os Talebans a estupraram ou não? Ouvi em algum lugar que isso aconteceria, já que ela disse que eles eram muito amigáveis então a pergunta: Queimou ou não queimou? Como é da CNN, devem abafar. Nós não vamos cortar sua cabeça mas vamos só te estuprar e com muita educação, dá licença?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro