Livro em quadrinhos homenageia heroína da resistência aos nazistas

Ainda adolescente, Madeleine Riffaud combateu os invasores alemães na França durante a Segunda Guerra, antes de se tornar poeta, jornalista e simpatizante do comunismo
-Publicidade-
Ilustração: reprodução do livro <i>Madeleine, Résistante</i> (Editions Dupuis)
Ilustração: reprodução do livro Madeleine, Résistante (Editions Dupuis)

Madeleine Riffaud tinha 17 anos durante a Segunda Guerra quando foi assediada por soldados nazistas. Um oficial ordenou que o assédio terminasse. Ao mesmo tempo, deu um chute em Madeleine, que a jogou de cara no chão. Enquanto limpava o sangue do nariz, a adolescente jurou que os invasores pagariam pelo que fizeram. Seu lema: “Não sou uma vítima. Sou uma resistente”.

Ilustração: reprodução do livro Madeleine, Résistante (Editions Dupuis)

Agora a vida de Madeleine Riffaud está sendo homenageada com uma graphic novel em três volumes chamada justamente Madeleine, Résistante. O autor, Jean-David Morvan, fez questão de creditar Madeleine, hoje com 97 anos, como cocriadora.

-Publicidade-

Leia também: Alemão de 100 anos será julgado por crimes nazistas

Aos 19 anos, ela provocou um soldado alemão e o seduziu a acompanhá-la até uma ponte sobre o Rio Sena, em Paris. E então o executou com duas balas na cabeça. Ela foi presa e torturada pela Gestapo e condenada à morte. Milagrosamente foi libertada um dia antes do vigésimo aniversário.

Madeleine Riffaud (Foto: Reprodução/Redes sociais)

Madeleine participou da resistência armada aos nazistas, colaborando para a captura de 80 soldados da Wehrmacht em um trem alemão. Depois da Segunda Guerra, ela se tornou jornalista e nunca escondeu sua simpatia pelos comunistas. Chegou a viver sete anos no Vietnã fazendo reportagens elogiosas aos guerrilheiros vietcongues.

Ilustração: capa do livro Madeleine, Résistante (Editions Dupuis)
Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário

  1. A luta contra os nazistas será sempre algo a ser reconhecido por todos os seres humanos, mas sucumbir a doutrinação comunista (que numericamente matou muito mais gente que o nazismo) não é algo possível de se aceitar.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro