-Publicidade-

Maduro decreta ‘isolamento radical’ para conter covid-19 e culpa variante brasileira

Venezuela confirmou 817 novos casos da doença ontem, domingo 21, segundo a Universidade Johns Hopkins
Nicolás Maduro é adepto das medidas restritivas na contenção do avanço da covid-19
Nicolás Maduro é adepto das medidas restritivas na contenção do avanço da covid-19 | Foto: Reprodução/Fotos Públicas

A Venezuela inicia nesta segunda-feira, 22, um “isolamento radical” para combater a nova onda de casos de covid-19 no país. A medida, anunciada pelo ditador Nicolás Maduro durante pronunciamento realizado ontem, domingo 21, deve durar duas semanas. Pela primeira vez desde outubro do ano passado, a Venezuela registrou mais de mil novos casos de contaminação pelo vírus chinês em apenas uma semana. De acordo com Maduro, a segunda onda no país está diretamente relacionada à variante brasileira do novo coronavírus. “Já detectamos uma segunda onda de covid-19, que tem como causa fundamental a chegada da variante brasileira ao nosso país, sem dúvida alguma”, afirmou Maduro. De acordo com o balanço da pandemia apresentado pelo chavista na TV estatal, a Venezuela tem uma taxa de 27 casos ativos de coronavírus para cada 100 mil habitantes. Segundo os dados mais recentes da Universidade Johns Hopkins, o país confirmou 817 novos casos da doença no domingo, com dez mortes.

Leia também: “Venezuela pede que ONU intervenha no Brasil para combater a covid-19”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

    1. Claro que a culpa é nossa; aceitamos os refugiados desse outro país de merda, enquanto esse pau mandado de russo e chinês comia churrasco no exterior.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.