Monumento por vítimas de regime comunista é destruído em Hong Kong

Batizada de 'Pilar da Vergonha', escultura mostra diversos corpos empilhados uns sobre os outros
-Publicidade-
Escultura do 'Pilar da Vergonha', em Hong Kong, em uma foto de 2008
Escultura do 'Pilar da Vergonha', em Hong Kong, em uma foto de 2008 | Foto: Creative Commons/Wikipedia

Um monumento em Hong Kong que lembrava os mortos no Massacre da Praça da Paz Celestial, em 1989, foi destruído na calada da noite nesta quinta-feira (23). 

Batizada de “Pilar da Vergonha”, a escultura de oito metros de altura mostra diversos corpos empilhados uns sobre os outros e estava na Universidade de Hong Kong. A jornalista Xinqi Su, da Agência France-Press em Hong Kong, publicou em sua página no Twitter uma série de vídeos que mostram o local cercado e vigiado por seguranças enquanto se pode ouvir o barulho de ferramentas em uso.

O motivo da retirada do monumento não está claro, mas o criador da escultura, o dinamarquês Jens Galschiøt, culpou a universidade: “Estou totalmente chocado que a Universidade de Hong Kong está destruindo o Pilar da Vergonha”, disse ele, em sua página no Twitter. 

A notícia chega em meio a uma ofensiva do regime comunista de Pequim sobre a Hong Kong, que tem uma longa história de autonomia em relação ao poder central. A política do Partido Comunista Chinês tem sido a de desmantelar os focos de resistência na ilha. Recentemente, o governo de Xi Jinping forçou uma mudança nas regras da assembleia legislativa de Hong Kong. Como resultado da interferência, parlamentares pró-Pequim obtiveram 89 dos 90 assentos no legislativo local, em uma eleição marcada pela baixa adesão popular. A Universidade de Hong Kong, que é pública, também tem sido alvo da pressão do Partido Comunista.

O Massacre da Praça da Paz Celestial, cujo número de vítimas até hoje é desconhecido, aconteceu quando o governo comunista reprimiu violentamente um protesto de estudantes em favor de mais liberdade.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

6 comentários Ver comentários

    1. Particularmente sempre que existe a opção sempre compro produtos nacionais, mesmo sendo mais caros, mas brasileirinho adora clicar no magalu que sempre aparece como mais barato, acordem !!!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.