-Publicidade-

Na Argentina, mais médicos se recusam a fazer o aborto

Profissionais da saúde estão reivindicando a "objeção de consciência"
Movimento conservador faz passeata contra a aprovação da medida, em novembro de 2020
Movimento conservador faz passeata contra a aprovação da medida, em novembro de 2020 | Foto: Reprodução/Twitter

Depois da maioria dos médicos do hospital da capital Buenos Aires se recusar a fazer o aborto, mais profissionais da saúde se opuseram ao procedimento. Em áreas rurais, a medida enfrenta ampla oposição, sobretudo nas províncias do norte da Argentina.

Na cidade de Jujuy, por exemplo, 29 dos 30 obstetras do Hospital Infantil Materno Hector Quintana declararam-se contra a interrupção da gravidez. Assim como quase todos os 120 ginecologistas da província, conforme Rubén Véliz, chefe do departamento de obstetrícia de Hector Quintana.

Os médicos estão reivindicando a chamada “objeção de consciência”, um mecanismo legal que garante o direito de se opor ao aborto com base em princípios religiosos, morais ou éticos. A oposição estuda uma forma de anular o dispositivo previsto na Constituição do país.

Aborto

Interromper a gravidez é permitido na Argentina desde 24 de janeiro, mas têm sofrido resistência. Em pelo menos 10 províncias, há registros de ações contra a medida de modo a tornar a lei inconstitucional. Membros do governo do presidente Alberto Fernández, que apresentaram o projeto de lei, reconhecem que ainda há muito trabalho a ser feito para garantir o acesso ao aborto.

Leia também: “O populismo pobre da Argentina”, reportagem publicada na Edição 30 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

  1. Os médicos tem a principal atribuição de salvar vidas. Portanto estão agindo legalmente. Quem criou a legitimidade do aborto está cometendo crimes.

  2. É função dos médicos cuidar da vida, de qualquer vida, e não atribuição dos alienados da esquerda que nada sabem produzir de concreto, tangível e útil à sociedade, para daí tentarem aparecer com barbáries e crimes contra quem não é inadequado à vida tanto quanto eles!

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.