-Publicidade-

Na Argentina, vacina russa provoca 317 ‘eventos adversos’

Estudos sobre o imunizante ainda não foram publicados em revistas científicas
País iniciou a imunização na semana passada
País iniciou a imunização na semana passada | Foto: Divulgação/Flickr

Nos primeiros dias da campanha de imunização contra o novo coronavírus na Argentina, o governo anunciou que foram observados 317 “eventos adversos” depois da aplicação das 32 mil doses da vacina russa Sputnik V. “Comunicamos que 44,2% dos eventos adversos reportados correspondem a pessoas com febre, cefaleia e/ou mialgias, iniciadas de seis a oito horas depois da vacinação”, informou o Ministério da Saúde argentino, em documento divulgado à imprensa, na sexta-feira 1°.

Além disso, pacientes sentiram dor no local da injeção, hiperemia e inchaço, somados a náuseas, dispepsia, diminuição do apetite, entre outros registros. “99,3% dos eventos relatados foram leves e moderados, não exigindo hospitalização e evoluindo com recuperação total”, acrescentou a pasta, ao mencionar que as reações tiveram duração média de 24 horas. Conforme noticiou Oeste, a “Anvisa da Argentina” aprovou em 23 de dezembro o uso emergencial do imunizante russo, mesmo sem estudos publicados em revistas científicas.

Leia também: “Senado da Argentina ratifica cruzada pró-aborto no país”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês