Número 2 da ditadura venezuelana nega manifestações em Cuba

'Estavam comemorando a Eurocopa', declarou Diosdado Cabello
-Publicidade-
Carros tombados depois das manifestações em uma cidade cubana | Foto: Reprodução/Twitter
Carros tombados depois das manifestações em uma cidade cubana | Foto: Reprodução/Twitter

Diosdado Cabello, primeiro vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) e número dois do regime, adotou um discurso negacionista sobre os protestos em Cuba. Na quarta-feira 14, o chavista disse que as manifestações no país caribenho eram um “evento midiático”. “As pessoas estavam comemorando a Eurocopa”, afirmou, em evento do partido. “Tiraram aquelas fotos como se estivesse acontecendo em Cuba, ou na Argentina, onde estavam comemorando a Copa América”, acrescentou o dirigente. “Tiraram a foto de longe e, sem vergonha nenhuma, disseram: ‘Olhem para Cuba, como está.'”

Cabello manifestou solidariedade ao ditador de Cuba, Miguel Díaz-Canel, e criticou suposta ação do “imperialismo” norte-americano na ilha caribenha. “Não entendem que são 60 anos de bloqueio. Pensam que vão fazer cinco tuítes para acabar com a Revolução Cubana”, salientou. “Aqui vai a nossa solidariedade, o nosso apoio, o nosso respeito ao povo cubano e ao governo pela imensa luta.” Conforme noticiou a Revista Oeste, os cubanos saíram às ruas para pedir o fim da ditadura castrista, que vigora há seis décadas. Com fome e sem remédios, a população pediu ajuda contra o governo e a pandemia de coronavírus.

Leia também: “Cuba está à beira de uma guerra civil, diz Zoe Martínez”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

9 comentários

  1. Declarações típicas da gangue canhota: negam o óbvio, tentam transformar em fantasia e culpam os EUA pela bagunça! Só que se esqueceram que temos a internet, as redes sociais, que, mesmo em meio a trancamentos e apagões na “ilha de Fidel”, conseguem mostrar a realidade do que está ocorrendo por lá. Não tem mais como esconder! Além disso, uma das principais fontes de recursos que tinham – o Brasil, fechou suas torneiras. Oro e espero que o povo brasileiro não dê novamente a chance de isso ocorrer!

  2. Isso não é ignorância, é maldade pura!
    Não é só na Venezuela, onde está a indignação dos “representantes dos Direitos Humanos”? Como explicar “representantes contra a tirania” apoiar o uso do poder de fogo do Estado contra o povo desarmado, a proibição da internet?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site