Revista Oeste - Eleições 2022

O que está em jogo na eleição de Portugal deste domingo?

Direita pode voltar ao poder, o que não acontece desde 2015
-Publicidade-
Da esquerda para a direita: António Costa, Rui Rio e André Ventura | Foto: Montagem/Redes Sociais
Da esquerda para a direita: António Costa, Rui Rio e André Ventura | Foto: Montagem/Redes Sociais

A eleição deste domingo, 30, em Portugal pode retirar a esquerda do poder, o que não acontece desde 2015, quando o atual primeiro-ministro, António Costa, do Partido Socialista (PS), chegou ao posto.

Costa tem conseguido permanecer no comando do país por contar com o apoio de outros partidos de esquerda, mas a situação começou a mudar em 2019.

-Publicidade-

Nas eleições daquele ano, os socialistas conseguiram aumentar sua bancada e abandonaram o arranjo de esquerda, optando por negociar individualmente nas votações.

O rompimento definitivo se deu em outubro do ano passado, depois do Bloco de Esquerda e o Partido Comunista votaram contra o Orçamento de 2022 e, diante disso, o presidente Marcelo Rebelo de Sousa optou por antecipar um novo pleito.

Esquerda fala em legado

António Costa, de 60 anos, mostra orgulho por ter “virado a página da austeridade orçamentária” aplicada pela direita após a crise financeira mundial.

“Vencemos a austeridade e a estagnação, estamos no caminho para vencer a pandemia e no domingo também venceremos esta crise política para dar estabilidade ao país”, disse na sexta-feira o primeiro-ministro.

Quando a data da votação foi anunciada há três meses, o Partido Socialista estava vem à frente nas pesquisas sobre o Partido Social-Democrata (PSD), de centro-direita.

Mas a vantagem praticamente evaporou nas últimas semanas e quase ninguém se arrisca a dar um palpite de quem sairá vitorioso das urnas neste domingo.

Antes de António Costa, o PSD governou Portugal de 2011 a 2015. O primeiro-ministro era Pedro Manuel Mamede Passos Coelho.

Agora, o sociais-democratas estão mais perto do que nunca para voltar sob o comando do deputado e economista Rui Rio, que vem atraindo votos com um discurso centrista e de moderação.

“O avanço de Rui Rio nas pesquisas demonstra que a população quer mudança”, disse Paulo Faria, dono de um restaurante em Portugal, à agência France-Presse.

Oposição ganha musculatura

Mesmo que não consiga apoio suficiente para assumir o comando do governo português, a direita sai mais fortalecida após às eleições.

Uma outra surpresa é as indicações de crescimento do Chega, partido de direita comandado pelo deputado André Ventura. Ele defende, por exemplo, a pena de morte e a castração química para pedófilos.

Único representante parlamentar do partido hoje, ele já foi condenado por “ofensas ao direito à honra” depois de ter chamado de bandidos, durante um debate na TV, os integrantes de uma família negra e moradora de um conjunto habitacional.

Não está claro se o Chega, que provavelmente será a terceira força política do país, ajudará a dar sustentação a um eventual governo do Partido Social-Democrata.

“A negociação não pode chegar nunca a uma situação de coligação em que haja ministros do Chega ou que vá violentar os nossos princípios”, disse Rui Rio.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.