ONG detalha casos violentos de repressão a manifestantes em Cuba

Segundo o relatório, alguns presos foram maltratados, forçados a realizar "agachamentos nus", privados de sono, ameaçados e trancados em celas sem luz
-Publicidade-
Homem preso em manifestação contra o governo de Cuba, na cidade de Havana, em 11 de julho de 2021 
Homem preso em manifestação contra o governo de Cuba, na cidade de Havana, em 11 de julho de 2021  | Getty Images

A organização de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) denunciou nesta terça-feira, 19, no relatório Case descriptions of protestors detained by the Cuban government, July 2021 (Descrições de casos de manifestantes detidos pelo governo cubano, julho de 2021), como foi a repressão da ditadura cubana aos protestos pacíficos de 11 de julho. Todas as descrições são baseadas em relatos de vítimas, parentes ou advogados. A ONG teve acesso a vídeos que comprovam os depoimentos.

Foram documentados 130 casos de repressão em 13 das 15 províncias cubanas. As autoridades acusaram os envolvidos de praticar atos de violência, na maioria das vezes atirando pedras durante os protestos. As forças militares, a polícia nacional e os “boinas negras” — brigada do governo cubano utilizada para coibir atos terroristas e ameaças nacionais — seriam os responsáveis pelos maus-tratos e procedimentos criminais abusivos.

Juan Pappier, pesquisador da HRW, falou sobre os julgamentos. “Manifestantes pacíficos foram sistematicamente detidos, mantidos incomunicáveis, submetidos a abusos ​​em condições carcerárias terríveis, e julgados em processo que são verdadeiras farsas.” comentou.

-Publicidade-

Segundo o relatório, alguns presos foram maltratados, forçados a realizar “agachamentos nus”, privados de sono, ameaçados e trancados em celas sem luz.

Leia mais: “Bolsonaro critica ditadura cubana: ‘E tem gente no Brasil que apoia’”

Veja alguns dos relatos:

Raul Prado, 35 anos

“Foi preso quando protestava em frente ao Instituto Cubano de Rádio e TV.  Passou por interrogatório e liberado mais tarde. Raul permanece sendo investigado por ‘desordem pública’ e não pode sair do país.”

Leia também: “Covid-19: Cuba se recusa a abrir corredor humanitário para ajuda estrangeira”

Rolando Remedios Sánchez , 25 anos

“A polícia o prendeu quando ele participava de uma manifestação pacífica. Passou seis dias sem pode falar com ninguém, além de ter sido espancado e forçado a agachar nu. Rolando foi liberado em 16 de agosto, mas é obrigado a ligar para uma delegacia de polícia todos os meses por estar sob investigação criminal.”

Magdelys Curbelo Anglés, 22 anos 

“A polícia a agarrou pelos cabelos, detendo-a quando ela participava de uma manifestação pacífica. Ela foi mantida em uma cela superlotada e mal ventilada com 11 outros detidos. Os policiais a acordaram repetidamente à noite para interrogatórios e a forçaram a gravar um vídeo dizendo que estava sendo mantida em condições adequadas. Em 22 de julho, foi condenada a 10 meses de prisão por ‘desordem pública’. Em 10 de agosto, um tribunal de apelações permitiu que ela cumprisse a pena fora da prisão sob ‘restrições de movimento’, incluindo a proibição de deixar a província e a exigência de ligar para a delegacia de polícia todos os meses.”

Os protestos 

Em 11 de julho, milhares de pessoas saíram às ruas de várias cidades cubanas para pedir o fim do regime de extrema esquerda. Aos gritos de “abaixo a ditadura” e “liberdade”, os manifestantes protestaram contra o governo, os sucessivos lockdowns, a falta de remédios, de comida liberdade de expressão. Em rede nacional, Miguel Díaz-Canel, primeiro-secretário do Partido Comunista do país, acusou os Estados Unidos de serem os organizadores dos protestos. No dia seguinte, o acesso à internet foi cortado. Em 19 de agosto, as autoridades cubanas informaram que 67 manifestantes haviam sido condenados.

Leia também: “Governo cubano nega autorização para manifestações pacíficas”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Deve haver algum engano, a matéria não está relatando a verdade, em Cuba onde se vive um pleno regime democrático, as liberdades individuais defendidas com bastante rigor pelos líderes democráticos eleitos livremente pelo povo, consultem os dirigentes do PT, PSOL, PC do B, luladrão, e etc para ver se eu estou enganado.

  2. Por quem foi fundado o Foro de São Paulo ? Organização que integra mais de 100 partidos políticos e organizações de esquerda ? Um dos fundadores foi o finado ditador Fidel Castro – de Cuba

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.