ONU adverte para ‘desastre’ depois de ataque russo a usina nuclear ucraniana

Ucrânia culpou a Rússia por novos bombardeios na área, danificando três sensores de radiação
-Publicidade-
As forças russas capturaram a fábrica no sudeste da Ucrânia no início de março
As forças russas capturaram a fábrica no sudeste da Ucrânia no início de março | Foto: Divulgação/AIEA

A Organização das Nações Unidas (ONU) pediu nesta segunda-feira, 8, que inspetores tenham acesso à usina nuclear de Zaporizhzhia, cidade ucraniana a pouco mais de 550 quilômetros ao sul da capital, Kiev. No fim de semana, a Rússia foi acusada de bombardear o local, considerado o maior complexo atômico da Europa.

“Qualquer ataque a uma usina nuclear é uma coisa suicida”, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, em entrevista coletiva concedida hoje no Japão.

Apesar do bombardeio, o complexo do reator nuclear estava operando em “modo normal”, informou a agência de notícias russa Interfax.

-Publicidade-

As forças russas capturaram a fábrica no sudeste da Ucrânia no início de março, logo depois da invasão à Ucrânia, mas ainda é administrada por técnicos ucranianos.

A Ucrânia culpou a Rússia por novos bombardeios na área da usina, no sábado 6, que danificaram três sensores de radiação e feriu um trabalhador.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, em um discurso televisionado, acusou a Rússia de praticar “terror nuclear”.

A autoridade russa instalada na região de Zaporizhzhia disse que as forças ucranianas atingiram o local com um lançador de foguetes múltiplos, danificando prédios administrativos e uma área de armazenamento.

A embaixada da Rússia em Washington detalhou os danos, comunicando que a artilharia ucraniana danificou duas linhas de alta tensão e um oleoduto, mas a infraestrutura crítica não foi afetada.

O conflito armado perto de uma usina nuclear alarmou o mundo.

Guterres disse que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) precisava de acesso à usina. “Apoiamos totalmente a AIEA em todos os seus esforços em relação a criar as condições para a estabilização da usina”, disse ele.

O diretor-geral da AIEA, Rafael Mariano Grossi, advertiu que o último ataque “sublinha o risco muito real de um desastre nuclear”.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

7 comentários Ver comentários

  1. Que coisa, o apelo “do fundo do coração” do Antonio Guterres não comoveu os russos… Talvez tenha que ir mais fundo, Guterres!

  2. A usina foi ocupada pelos russos e Março e agora eles estão se auto bombardeando ?
    O resto da imprensa acredita em tudo que o Zelensky fala, mas vocês deveriam checar melhor a informação.

  3. A usina nuclear de Zaporizhia é a maior usina nuclear da Europa, e é difícil imaginar o que aconteceria se Kiev danificasse componentes importantes da usina nuclear. No entanto, o governo Zelensky está conscientemente assumindo esse risco.

    Kiev não permite inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) na usina, embora a Rússia exija urgentemente uma inspeção da AIEA. Como a usina nuclear está formalmente em território ucraniano, embora agora esteja sob controle russo, a AIEA precisa de permissão formal de Kiev para uma inspeção.

    Uma breve recapitulação dos fatos:

    Uma das razões para a intervenção da Rússia na Ucrânia foi o anúncio de Zelensky na Conferência de Segurança de Munique em 19 de fevereiro de 2022 de que a Ucrânia teria armas nucleares. A Ucrânia tem todos os pré-requisitos técnicos e também o material nuclear necessário para produzir rapidamente armas nucleares, porque as armas nucleares foram produzidas lá nos tempos soviéticos e as usinas nucleares necessárias ainda estão em operação na Ucrânia. Por esta razão, a Rússia assumiu o controle das usinas nucleares de Chernobyl e Zaporizhia nos primeiros dias de sua operação.

    No início de março, o exército ucraniano lançou seus primeiros ataques à usina Zaporizhia, que ainda é operada por especialistas ucranianos e guardada pelo exército russo. A propósito, a usina ainda fornece eletricidade para a Ucrânia.

    Desde então, a Ucrânia atacou repetidamente a usina e nunca escondeu os ataques, ela mesma informou que derrubou drones kamikaze na usina no final de julho de 2022.

    Em 5 de agosto, a usina foi bombardeada novamente, só que agora deveria ser os russos atirando em si mesmos? Depois que nenhuma instalação crítica foi atingida nos ataques anteriores de Kiev, desta vez, os acertos sensíveis são alcançados. A administração da região relatou vários bombardeios da usina naquele dia:

    “Duas horas depois, as forças armadas ucranianas novamente bombardearam a usina nuclear de Zaporizhia com artilharia. Apesar das consequências catastróficas que os danos à central nuclear podem ter, os nacionalistas continuam a disparar contra a central nuclear de Zaporizhia. Desta vez, os nacionalistas conseguiram atingir seu objetivo: projéteis de artilharia atingiram o local industrial da usina nuclear. A natureza e a extensão dos danos causados ​​pelos militares ucranianos ainda estão sendo especificadas”.

    Mais tarde, foi relatado que houve um incêndio que foi rapidamente extinto. No entanto, um reator teve que ser desligado em caso de emergência, e linhas de energia importantes para a operação da usina nuclear foram destruídas. Embora o desastre não tenha se materializado, houve falta de energia e a produção de eletricidade da usina foi reduzida, levando a uma queda no fornecimento de eletricidade para a Ucrânia.

  4. Esses caras não sabem de nada, inocentes. Essas usinas são construídas para resistir a abalos sísmicos, bando de imbecis! Vão estudar antes de dizer asneiras. A menos que esses russos estejam a fim de sacanear com todo mundo e com eles próprios ao mandar um míssil ou uma bomba diretamente sobre a usina. Certa vez estava cravando umas estacas para fundação de um sobrado residencial em um condomínio e aí veio uma madame vizinha, encher o saco, dizendo que as batidas das estacas iriam abalar sua residência e qualquer coisa iria chamar um advogado para pedir junto ao condomínio, a interrupção dos serviços, Eu tive que improvisar um prato com água e colocar diante de sua calçada para demonstrar para ela que a água permanecia imóvel e que não havia nem a menor vibração que a prejudicasse. Façam isso, instalem um sismógrafo na usina, seus cretinos.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.