Opep deve cortar produção global de petróleo

Arábia Saudita e Rússia estão por trás da medida, que deverá elevar os preços da commodity
-Publicidade-
A Rússia também seria a favor de um corte na produção, diante da queda de sua receita com petróleo nos últimos meses
A Rússia também seria a favor de um corte na produção, diante da queda de sua receita com petróleo nos últimos meses | Foto: Divulgação/Pixabay

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados planejam um corte substancial na produção, para conter a queda dos preços. O movimento — que tem a Arábia Saudita por trás — irá elevar os preços da commodity.

A reunião será realizada nesta quarta-feira, 5, em Viena, na Áustria. Sauditas, russos e outros produtores deverão anunciar grandes cortes na produção.

O tamanho da redução na oferta ainda será acertado, mas a Arábia Saudita e a Rússia estão pressionando por cortes de 1 milhão a 2 milhões de barris por dia ou mais, embora isso possa ocorrer ao longo de vários meses. Esse seria de longe o maior corte desde o início da pandemia e equivalente a mais de 1% da oferta global. A decisão provavelmente suscitará contramedidas dos Estados Unidos.

-Publicidade-

As tensões entre a Arábia Saudita, maior exportador mundial de petróleo, e os EUA, maior consumidor, surgem no momento em que analistas alertam para uma guerra global por energia cada vez maior, provocada pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

A medida ameaça aumentar os preços do petróleo em um momento em que grande parte do mundo está lutando para reduzir os custos de energia.

Sauditas e russos intensificaram seus esforços para reduzir a produção, para conter a queda nos preços do petróleo, que chegaram a alcançar US$ 120 do barril no começo de junho — com grande impacto na receita do Estado russo. O petróleo do tipo Brent, a referência internacional, subiu acima de US$ 90 o barril ontem — um aumento de 7% desde o fim de semana.

Os EUA querem reduzir as receitas da Rússia com petróleo, para sufocar o financiamento às suas Forças Armadas, o que torna a cooperação da Arábia Saudita com Moscou uma fonte de tensão entre o governo saudita e a Casa Branca.

Os sauditas desejam reduzir a produção tanto para dar suporte aos preços quanto para manter alguma capacidade de produção em reserva. Os sauditas temem que a produção russa possa cair acentuadamente no fim deste ano, como consequência das sanções ocidentais contra suas exportações de petróleo.

A Rússia também seria a favor de um corte na produção diante da queda de sua receita com petróleo nos últimos meses, com os compradores forçando grandes descontos após a invasão da Ucrânia.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.