Por falta de diesel, Argentina tem paralisação nacional de caminhoneiros

Em algumas regiões, o preço do litro pode chegar a R$ 9,60
-Publicidade-
Caminhoneiros iniciam paralisação em várias regiões da Argentina
Caminhoneiros iniciam paralisação em várias regiões da Argentina | Foto: Reprodução/Redes sociais

Os caminhoneiros, liderados pelos sindicatos que representam a categoria, decidiram realizar uma paralisação nacional a partir desta quarta-feira, 22, na Argentina. Eles protestam contra a falta de diesel e o aumento do preço do combustível no país.

As manifestações começaram ontem em algumas regiões e agora tomaram proporções nacionais, com caminhoneiros bloqueando a estrada entre Buenos Aires e La Plata, impedindo o acesso à capital.

Os manifestantes ocuparam as principais vias de acesso a grandes cidades da Argentina desde o início da manhã de hoje.

-Publicidade-

Segundo o jornal argentino La Nación, o ministro dos Transportes da capital, Jorge D’Onofrio, conversou com lideranças dos caminhoneiros para iniciar negociações entre as partes e em troca disso ficou acordada a liberação das vias.

Apesar disso, Patricio Minutoli, representante dos manifestantes, disse à rádio Mitre que os caminhoneiros podem cortar os acessos a portos e cidades da Argentina para que os pleitos da classe cheguem até o presidente Alberto Fernández. Ele disse que são reivindicações “históricas”, e que a paralisação pode “desabastecer o país”.

Em comunicado, o Sindicato Nacional de Transportadores e Empresas Ligadas da República Argentina afirmou que realizará a paralisação das atividades por tempo indeterminado, “com o objetivo de alterar as diligências que causaram prejuízo ao transporte”.

Os caminhoneiros pedem ao governo que “estabeleça uma cláusula de gatilho para que as tarifas sejam proporcionais ao aumento do combustível e fiscalize o cumprimento do mesmo”.

Preço do diesel pode chegar a R$ 9,60

O governo da Argentina anunciou na última semana um aumento de 12% no preço do diesel, elevando o valor por litro para 130 pesos (R$ 5,45) para o diesel comum. Porém, no contexto de escassez do combustível na Argentina, os preços praticados no interior são mais altos.

Em Províncias mais afastadas de Buenos Aires, o valor por litro do diesel chega a 190 pesos (quase R$ 8). O preço pode subir para 230 pesos (R$ 9,60), caso queiram transportar mais do que 200 litros por caminhão, por conta da escassez de combustível no país.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

6 comentários Ver comentários

  1. É lamentável o que acontece no país vizinho, outrora a Europa da América Latina. Temos que estar atentos e observar como é rápida a decadência de um país se for mal gerido e tiver políticas com viés estranho…

  2. A população argentina tem culpa desses acontecimentos que hora assola seu País, que agora assumam as consequências dos seus atos praticado nas urnas de votação, foram enganados pelos cantos das sereias.

  3. A Argentina sempre foi conhecida por suas imensas tropas de equínos e muares, inclusive sempre foi um grande fornecedor desses animais para o Brasil e outros países do continente. Pois bem, está na hora de mobilizar essa tropa para ser usada no transporte de mercadorias, tal como no século XIX. Sucesso!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.