Presidente da Argentina recorre à ONU por soberania das Malvinas

O ministro das Relações Exteriores do país sul-americano está em Nova Iorque, para tentar negociações com o Reino Unido
-Publicidade-
Não é de hoje que Fernández reivindica a soberania da ilha
Não é de hoje que Fernández reivindica a soberania da ilha | Foto: Divulgação/Casa Rosada

O ministro de Relações Exteriores da Argentina, Felipe Solá, participa nesta quinta-feira, 24, de uma sessão do Comitê de Descolonização da ONU sobre a Questão das Malvinas. “Isso vai de acordo com o mandato estabelecido e reiterado em numerosas resoluções desta assembleia e de seu comitê especial de descolonização”, informou o chanceler, em documento publicado na manhã de hoje.

Em Nova Iorque, Solá tenta pôr a Argentina e o Reino Unido em uma mesa de negociações. O objetivo é a reivindicação da soberania das ilhas Malvinas por parte do país sul-americano. Na terça-feira 22, o diplomata argentino recorreu ao secretário-geral da ONU, António Guterres, com a finalidade de o integrante do organismo internacional interceder pela Argentina junto ao Reino Unido.

Na semana passada, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, declarou haver a necessidade de os argentinos retomaram o controle do arquipélago, cuja soberania é mantida pelos britânicos desde 1833 e historicamente solicitada pelo país sul-americano.

-Publicidade-

Leia também: “O populismo pobre da Argentina”, reportagem publicada na Edição 30 da Revista Oeste

Com informações da agência de notícias EFE

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

11 comentários

  1. Dizem que por lá, naquelas setentrionais paragens tem muito petróleo ou gás natural, não sei se fizeram alguma prospecção por ali em alguma época atual ou remota. De resto, são umas ilhotas remotas, faz um frio prá cacete, e talvez tenham algum recurso pesqueiro que agora sofre com a abordagem de navios pesqueiros chineses e são muitos por lá ou então seja apenas mais uma obsessão desses argentinos, vide o caso do Juán Domingo Perón, existe obsessão maior que essa? Roubaram até um dedo da múmia do cara! Esses platinos, a meu ver, são uns doentes.

  2. Minha nossa, mais uma vez essa palhaçada… a Argentina já passou a divisa para ser terra arrasada. Tenho amigos que moram lá, a situação é cada vez pior. Terrorismo, quebra de direitos civis, corrupção, retirada de propriedades…

    1. Isso já foi feito em 2013 – o resultado foi o seguinte:

      De 1517 votos, 1513 votos foram em favor de manter as ilhas junto ao Reino Unido e TRÊS contra, com uma abstenção.

      Mas deixemos o comuna tentar de novo – assim eles tomam mais um pau dos britânicos e afundam de vez.

  3. Toda vez que um governante argentino perde totalmente a popularidade ele lança essa conversa das Ilhas Falklands para procurar uma sobrevida no patriotismo do povo argentino.

    1. É exatamente disso que se trata. O velho e asqueroso oportunismo e manipulação política do povo argentino, que divide-se entre patriotas e idiotas. Como o país está sempre em crise e elegendo picaretas, o governo do momento usa – de novo – as Malvinas.

  4. Argentinos: patriotas e idiotas
    Argentinos patriotas: inteligentes e burros
    Argentinos patriotas e inteligentes: deixa as Malvinas quieta e troca esse governo esquerdista.

    Ou então, vão ver mais europeus chegarem em navios.. Os ingleses de novo.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site