Prosperidade da China não é sustentável, afirma o economista James Robinson

O autor de Por Que as Nações Fracassam? participou da 34ª edição do Fórum da Liberdade
-Publicidade-
Último painel do 34º Fórum da Liberdade trouxe o economista James Robinson e o jornalista William Waack
Último painel do 34º Fórum da Liberdade trouxe o economista James Robinson e o jornalista William Waack | Foto: Marcos Nagelstein/Agência Preview/Divulgação

O Fórum da Liberdade, evento on-line produzido pelo Instituto de Estudos Empresariais (IEE), ocorreu entre os dias 12 e 13 de abril e trouxe para seu último painel o economista James Robinson, um dos mais prestigiados especialistas em Economia Política e História Econômica, autor de Por Que As Nações Fracassam?, e o jornalista William Waack, que conduziu a entrevista.

Robinson, coautor de The Narrow Corridor, junto com Daron Acemoglu, apresentou uma análise sobre os impactos do poder do Estado e da sociedade. Citou nações como China e Rússia, nas quais o poder do Estado sobre as pessoas é maior, e a situação do Iêmen, onde a sociedade domina o Estado. O autor conclui que é necessário um equilíbrio entre os modelos para produzir um Estado forte com uma sociedade forte. “É um balanço, você tem que equilibrar o poder da sociedade e o do Estado”, observa o economista, que defende a ideia de que, quanto maior a liberdade de uma nação, mais forte é sua democracia. A liberdade também seria necessária para o sucesso de um país.

Prosperidade na China. Até quando?

-Publicidade-

Indagado sobre o que explica o sucesso econômico da China, um país que não garante liberdade à sua população, o economista argumentou que é possível que governos autoritários criem períodos de prosperidade — como foi o caso da Rússia entre os anos 1950 e 1970 —, mas esse sucesso tende a não ser duradouro.

A autocracia da China nunca será consistente com a manutenção de liberdade econômica ou com liberdade

“O que leva prosperidade é inovação, criatividade, novas ideias, novos produtos, novos modos de fazer, de construir as coisas. Para ter uma sociedade próspera, você precisa da criatividade e da inovação coletivas, e dos talentos. As pessoas precisam ter liberdade para seguir suas ideias, seus sonhos, paixões e projetos. Elas precisam estar protegidas e precisam acreditar que poderão usufruir dos frutos de sua inventividade e criatividade. E o que a História mundial coloca é que isso é impossível de conseguir sem garantias políticas básicas. Você não consegue jurisprudência, segurança jurídica, direito de propriedade, se você é regrado pelos desejos de um ditador. Isso vem da dura construção de instituições e de criar um contexto de liberdade”, afirmou Robinson.

“Há muitos booms como estes na História, mas isso não é sustentável. A China pode ir muito bem ao pegar tecnologias emprestadas, roubando as ideias das pessoas, não respeitando o direito internacional à propriedade ou tirando vantagem do mundo globalizado com salários baixos. E eles foram incrivelmente bem, mas como você sustenta isso? A autocracia da China nunca será consistente com a manutenção de liberdade econômica ou com liberdade. E não será consistente com uma economia genuinamente inovadora e próspera. Veja o que aconteceu com Jack Ma [criador do e-commerce Alibaba]. Se você critica o Partido Comunista, acabou. Eles vão acabar com a sua empresa. Isso não condiz com uma bem-sucedida potência econômica capitalista”, afirmou.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.