Protestos contra o primeiro-ministro na Bulgária

Milhares de pessoas devem participar em Sofia, capital da Bulgária, no sétimo dia seguido de protestos contra o governo do país
-Publicidade-
Foto: VoA/Twitter
Foto: VoA/Twitter | Protestos Bulgária

Manifestação conta com apoio do presidente de esquerda; o primeiro-ministro Boyko Borissov é de centro-direita

Protestos Bulgária
Foto: VoA/Twitter

Milhares de pessoas devem participar em Sofia, capital da Bulgária, do sétimo dia seguido de protestos contra o governo do país. Os manifestantes também estão convocando uma greve geral a fim de pressionar o primeiro-ministro.

-Publicidade-

Os manifestantes acusam o primeiro-ministro da Bulgária, Boyko Borissov, que é de centro-direita, de conexões criminosas e corrupção e pedem sua renúncia. Eles também pedem a renúncia do procurador-geral do país, Ivan Geshev.

Veja também: “Protestos violentos contra o ‘lockdown’ na Sérvia”

Os protestos na Bulgária são certamente os maiores que acontecem no país da Europa Oriental em mais de sete anos. A Bulgária conta com pouco mais de 7 milhões de habitantes.

Disputa com o presidente

Tudo começou na última semana, quando Geshev ordenou uma operação policial no escritório presidencial. Dois assessores foram detidos por suspeita de divulgação de documentos confidenciais e por tráfico de influência. A informação é da televisão europeia Euronews.

A operação foi vista como uma forma de pressionar o presidente. Eleito em 2017, Rumen Radev foi comandante da Força Aérea do país e teve o apoio do Partido Socialista em sua campanha. Desde que assumiu o poder, ele tem feito críticas abertas ao governo de Boyko Borissov.

Em postagem em sua conta do Facebok, Radev afirmou que os protestos são contra “a máfia que está no poder” e que com certeza “não há poder que possa deter as manifestações”.

Mais: “Mais de 50 pessoas são presas em Hong Kong em protesto contra o governo chinês”

O primeiro-ministro posteriormente também se manifestou nas redes sociais, afirmando que respeita manifestações pacíficas. “Respeito o direito de todos se manifestarem. Minha porta sempre está aberta ao diálogo.”

Ele completou: “O poder nos foi dado pelo povo, e vamos exercê-lo com responsabilidade”.

Desde o início, a grande maioria dos protestos ocorreu de forma pacífica. Aconteceram poucos casos de vandalismo e confronto com as forças policiais. Com isso, alguns manifestantes foram detidos.

 

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.