-Publicidade-

Províncias argentinas impõem ‘toque de recolher’

Ministério da Saúde informou que os casos de coronavírus aumentaram no país
O governo federal debitou o crescimento da covid-19 na conta das festas de fim de ano
O governo federal debitou o crescimento da covid-19 na conta das festas de fim de ano | Foto: Divulgação/Casa Rosada

Sob a justificativa de frear o avanço do coronavírus, governadores de quatro províncias argentinas endureceram as medidas de restrição, na terça-feira 5. Chaco, Formosa, La Pampa e Santiago del Estero decretaram um “toque de recolher” que impede a circulação noturna e limita as atividades do comércio. O Ministério da Saúde do país garante que houve aumento nos casos de infecções pelo vírus chinês. Em razão disso, os peronistas Alberto Fernández e Cristina Kirchner estudam impôr um novo lockdown, conforme noticiou Oeste faz pouco que o país saiu do isolamento social mais longo do mundo.

O governo federal debitou o crescimento da covid-19 na conta das festas de fim de ano e às “reuniões clandestinas”, que estariam ocorrendo em pontos turísticos, como na costa atlântica de Buenos Aires. Recentemente, feministas e outros movimentos de extrema esquerda participaram de aglomerações defronte ao Congresso, para celebrar a aprovação do aborto naquele país. Além disso, um milhão de pessoas compareceram ao velório do ex-craque do futebol Diego Maradona. Mesmo confinada, a Argentina tem hoje 1,6 milhão de infectados pelo vírus chinês e 43 mil mortos devido à covid-19.

Leia também a reportagem publicada na edição 14 da Revista Oeste: Lockwown não diminui a curva de contágios do coronavírus

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês