Qual é a receita para um cérebro turbinado?

Dagomir Marquezi explica, em artigo publicado na Edição 105 da Revista Oeste
-Publicidade-
Há muitos mitos sobre a produtividade do cérebro humano
Há muitos mitos sobre a produtividade do cérebro humano | Foto: Reprodução/Pixabay

Em artigo publicado na Edição 105 da Revista Oeste, Dagomir Marquezi descreve as verdades e os mitos sobre a produtividade do cérebro humano. “Não há milagres”, escreve o colunista. “Existem mudanças de hábitos, disciplina e racionalidade.”

Leia um trecho

Acordar às 4 da madrugada deixa as pessoas mais produtivas?

-Publicidade-

Não, segundo o doutor Dean Burnett, neurocientista britânico e professor da Universidade Cardiff, no País de Gales. Alguns acordam naturalmente mais cedo. Para essas pessoas, despertar antes de o sol nascer pode incrementar sua produtividade. Para o resto, um horário desses é uma violência contra as regras mais básicas do relógio biológico. Muito mais importante do que acordar cedo é dormir bem, de sete a nove horas por noite. Privação de sono é uma das mais antigas, conhecidas e discretas formas de tortura. Quem dorme mal costuma produzir pouco. Nosso cérebro se reorganiza com boas horas de sono, como um computador depois de ser reiniciado.

Música de fundo é benéfica ao trabalho?

Sim. Segundo a reportagem da Science Focus, nós temos dois sistemas de atenção. Um é o da atenção consciente, aquela que controlamos quando, por exemplo, escrevemos um texto ou dirigimos um carro. E temos um segundo sistema de atenção, o inconsciente. Ele serve como alerta. Fica ligado aos sinais externos — como sons, imagens e movimentos. Em silêncio, ficamos suscetíveis demais a sons externos — o ronco de um avião, uma brecada na rua, o miado de um gato, o celular de um vizinho. A música filtra uma parte desses sons, ajudando no foco no trabalho. Além disso, a escolha da música certa pode também servir como instrumento de produtividade. O doutor Burnett cita um gênero em alta para os que precisam de foco: trilhas sonoras de videogames. Músicas instrumentais são melhores para nossa concentração ao trabalho do que as que nos distraem com letras.”

Gostou? Dê uma olhada no conteúdo abaixo.

Revista Oeste

A Edição 105 da Revista Oeste vai além do texto de Dagomir Marquezi. A publicação digital conta com reportagens especiais e artigos de J.R. Guzzo, Cristyan Costa e Silvio Navarro, Augusto Nunes, Ana Paula Henkel, Guilherme Fiuza, Rodrigo Constantino, Edilson Salgueiro e Fábio Matos, Kaíke Nanne, Brendan O’Neill, Bruno Meyer, Evaristo de Miranda e Alexandre Ostrowiecki.

Startup de jornalismo on-line, a Revista Oeste está no ar desde março de 2020. Sem aceitar anúncios de órgãos públicos, o projeto é financiado diretamente por seus assinantes. Para fazer parte da comunidade que apoia a publicação digital que defende a liberdade e o liberalismo econômico, basta clicar aqui, escolher o plano e seguir os passos indicados.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.