Revista Oeste - Eleições 2022

Rússia: adesão de Finlândia e Suécia à Otan é ‘erro grave’

‘Eles não devem ter ilusões de que simplesmente vamos tolerar isso’, disse chanceler russo
-Publicidade-
Vladimir Putin, presidente da Rússia
Vladimir Putin, presidente da Rússia | Foto: Divulgação/Kremlin

O vice-chanceler russo, Sergei Ryabkov, disse nesta segunda-feira, 16, que a Finlândia e a Suécia não devem ter ilusões de que Moscou simplesmente vai tolerar sua adesão à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Ele chamou a decisão de um erro que teria consequências abrangentes.

A mudança de postura de duas potências historicamente neutras seria uma das maiores transformações da arquitetura de segurança da Europa em décadas, refletindo uma mudança radical nas percepções na região nórdica desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, em 24 de fevereiro.

“É claro que a situação está mudando radicalmente à luz do que está acontecendo”, disse Ryabkov, segundo a agência de notícias Interfax. “O fato de que a segurança da Suécia e da Finlândia não será reforçada como resultado dessa decisão é muito claro para nós.”

-Publicidade-

“Eles não devem ter ilusões de que simplesmente vamos tolerar isso”, afirmou Ryabkov. “O nível geral de tensão militar aumentará, a previsibilidade nessa esfera diminuirá. É uma pena que o bom senso esteja sendo sacrificado por alguma disposição fantasma sobre o que deve ser feito nessa situação”, declarou o vice-chanceler.

A Otan e os Estados Unidos disseram no domingo 15 que estavam confiantes de que a Turquia, que tem boas relações com a Rússia, não suspenderia a adesão dos dois Estados nórdicos à aliança militar ocidental.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Nesse caso ficou bem claro que a reação da Finlândia e Suécia veio diante das ameaças do Putinho que reiteradamente vem dizendo que os dois países se arrependerão se entrarem para a EU, imagine para a OTAN. Esse homem não tem freios e explico (mais uma vez) porquê: Ele nasceu, cresceu e se formou na KGB na época da URSS e quando se tornou presidente, herdou um país dos BRICS com o privilégio (indevido como vimos no caso da Ucrânia) de ter poder de veto na ONU>

  2. O que esta se vendo é a clara intenção dos Globalistas, EUA,UE e Otan, a cutucar a onça com vara curta, sabedores do que pode advir dessas tentativas de aproximarem
    das fronteiras Russas, não se vislumbra num futuro próximo, o fim dessa guerra patrocinado por loucos como Bidem e seu Staf, instigando Putin que não cederá ,
    estão poucos preocupados com as mortes que acontecem e possam ocorrer , com início de outras frentes de guerras.

    1. Em parte, você tem razão, José! De fato, a esquerda quer a globalização e muito mais, eles querem a NOM. Mas a Europa está seriamente preocupada com a Ucrânia. Exceção talvez ao Macron que é esquerdista tipo NOM. Mas a questão das fronteiras, se a Rússia não quer a OTAN no fundo do seu quintal, por que ele expande seu quintal até a OTAN? Não, ele quer a garantia de alimentar os seus conterrâneos e para isso precisa da capacidade de produção da Ucrânia como ele queria proteger seus navios quando incorporou a Criméia.

  3. Vai ser muito interessante ver o que acontece. Especialmente porque os russos não parecem muito felizes com o fato de a OTAN estar se aproximando cada vez mais de suas fronteiras. Os americanos continuam avançando seus peões na região e certamente tudo acabará bem. Especialmente com um cara completamente senil no poder.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.