Rússia ameaça posicionar mísseis nucleares na Europa

O vice-ministro das Relações Exteriores russo disse que o país pode ser forçado a adotar a medida em resposta à Otan
-Publicidade-
O presidente da Rússia, Vladimir Putin
O presidente da Rússia, Vladimir Putin | Foto: Divulgação/Kremlin

Nesta segunda-feira, 13, o governo da Rússia informou que pode ser forçado a posicionar mísseis nucleares de alcance intermediário na Europa. O ato ocorreria em resposta ao que o Kremlin considera planos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) de fazer o mesmo.

O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, declarou que Moscou terá de se posicionar, caso a Otan não se comprometa com a prevenção dessa escalada. De acordo com Reuters, a fala correu em uma entrevista concedida à agência de notícias russa RIA.

Em 1987, o então presidente norte-americano, Ronald Regan, e o líder soviético Mikhail Gorbachev assinaram um tratado proibindo as armas nucleares de curto alcance no continente europeu. Na época, o ato foi considerado um grande alívio das tensões da Guerra Fria.

-Publicidade-

Tensões da Rússia com o ocidente

No domingo 12, o G7 avisou a Rússia que o país enfrentará grandes consequências se o presidente Vladimir Putin atacar a Ucrânia. O grupo é formado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido. Seis deles fazem parte da Otan. A única exceção é o Japão, que não está próximo ao Oceano Atlântico, mas é considerado um aliado importante do bloco.

“A Rússia não deve ter dúvidas que mais agressões militares à Ucrânia terão grandes consequências e altos custos em resposta”, informou o G7, depois de uma reunião de seus chanceleres em Liverpool.

A Inteligência dos Estados Unidos acredita que os russos podem estar planejando uma grande ofensiva militar contra a Ucrânia já em 2022 — que era controlada por Moscou durante a Guerra Fria. Da mesma forma, no começo do mês, as autoridades ucranianas revelaram que a data mais propícia para um ataque russo seria em janeiro.

O presidente Putin negou a intenção de realizar a invasão. Contudo, o político quer garantias de que a Otan não vai se expandir para o leste. O governo norte-americano tem dito repetidamente que nenhum país pode vetar as expectativas da Ucrânia.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. > Contudo, o político quer garantias de que a Otan não vai se expandir para o leste.

    Nos anos 90, após a Guerra Fria, a OTAN se comprometeu verbalmente com o Gorbachev a não expandir para o Leste e os líderes atuais não mantiveram a palavra. O governo Russo tem razão em estar fulo.

    A OTAN está louca para uma guerra, só que nenhum membro tem coragem de começar, depois do fiasco dos EUA e as “armas de destruição em massa” do Saddam…

  2. O Putin deve realmente estar com muito medo e receio da cambada de frouxos incompetentes, covardes e panacas que se resumem os “líderes” europeus na atualidade.
    Não podemos esquecer do presidente estadunidense senil e com demência que chama pela mãe falecida durante seus discursos. Não conseguem nem organizar seus quartos e oprimem o próprio povo com passaportes vacinais, quiçá comandar um conflito contra um dos exércitos mais poderosos e bem treinados do planeta.
    Piada pronta.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.