Rússia invade Slavutych, cidade ucraniana perto da usina nuclear de Chernobyl

Anúncio foi feito por governador ucraniano
-Publicidade-
Moradores de Slavutych, durante protesto no centro da cidade - 26/03/2022 | Foto: Reprodução/Twitter
Moradores de Slavutych, durante protesto no centro da cidade - 26/03/2022 | Foto: Reprodução/Twitter

A Rússia assumiu Slavutych, cidade onde vivem os sobreviventes da explosão da usina nuclear de Chernobyl, disse o governador ucraniano Oleksandr Pavliuk, neste sábado, 26. Slavutych fica perto da fronteira com Belarus.

O governador relatou que os russos abriram fogo e lançaram granadas de efeito moral para dispersar alguns moradores que tentavam resistir durante um protesto, segundo informou a agência de notícias Reuters.

Slavutych, a 160 quilômetros da capital Kiev, fica nas proximidades da chamada “zona de exclusão” em torno da usina nuclear de Chernobyl — em 1986, o local sediou o pior desastre nuclear do mundo.

-Publicidade-
usina nuclear de chernobyl
De carro, Slavutych fica a pouco mais de 50 minutos de Chernobyl | Foto: Reprodução/Google Maps

Veja imagens da invasão de Slavutych, cidade nas proximidades da usina nuclear de Chernobyl

Joe Biden na Polônia

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, se reuniu neste sábado, 26, com os ministros das Relações Exteriores e da Defesa da Ucrânia, em um hotel no centro de Varsóvia, na Polônia. Trata-se das primeiras conversas presenciais entre o democrata e autoridades da Ucrânia desde o início do ataque russo à Ucrãnia, em 24 de fevereiro.

Biden e os secretários americanos Antony Blinken (Estado) e Loyd Austin (Defesa) se encontraram com o ministro ucraniano das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba, e seu colega da Defesa, Oleksiy Reznikov.

Biden vai dizer em um discurso neste sábado que o “mundo livre” se opõe à invasão da Ucrânia pela Rússia, e que há unidade entre as grandes economias para parar a guerra de Vladimir Putin.

O presidente dos EUA está em uma viagem de três dias pela Europa. Além de se encontrar com autoridades ucranianas na Polônia, ele conversou com líderes de outros países europeus, do G7 (grupo de países mais ricos do mundo) e da Organização do Tratado Atlântico Norte (Otan). Ele ainda visitou tropas americanas na Polônia.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.