-Publicidade-

Sem apoio político, primeiro-ministro da Itália renuncia

Nos últimos meses, Giuseppe Conte notabilizou-se por promover série de 'lockdowns'
Giuseppe Conte: pedido de renúncia em meio à crise política
Giuseppe Conte: pedido de renúncia em meio à crise política | Foto: Reprodução/Euronews

A semana começa com agitação na política italiana. Primeiro-ministro da Itália desde junho de 2018, Giuseppe Conte apresentou seu pedido de renúncia na manhã desta terça-feira, 26. A decisão ocorre em meio à perda de apoio político por parte do premiê.

Leia mais: “Marcelo Rebelo de Sousa é reeleito presidente de Portugal”

Conte chegou a 2021 tendo de encarar problemas em sua base. Então aliado do primeiro-ministro, o Partido Itália Viva rompeu com o governo há duas semanas. Diante da situação, o político consultou o Parlamento italiano. Obteve o chamado voto de confiança de mais da metade dos deputados (321 dos 630), mas não alcançou maioria absoluta no Senado (com 154 votos dos 320 possíveis).

De acordo com a agência de notícias Ansa, o pedido de renúncia não representa a intenção de Conte de deixar o poder. Segundo informações, o objetivo dele é obter o aval do presidente da Itália, Sergio Matarella, para seguir como primeiro-ministro e, assim, formar um novo governo de coalizão. Tarefa que deverá contar com partidos de centro, direita e esquerda para ser bem-sucedida. Caso contrário, novas eleições poderão ser convocadas.

Essa não é a primeira crise enfrentada por Conte como primeiro-ministro da Itália. Alçado ao cargo pelo M5S, ele, que é advogado e sem experiência como congressista, viu um dos partidos de sua base, a Liga Norte, mudar de lado. Dessa forma, precisou realizar acordos com legendas menores.

Promotor de lockdowns

Giuseppe Conte ganhou destaque nos últimos meses por apostar em medidas de confinamento e isolamento social como tentativas de combate à disseminação do coronavírus. Em dezembro de 2020, por exemplo, ele determinou a implementação de uma espécie de lockdown natalino, conforme noticiou Oeste. O político também vinha encarando a pressão popular, com comerciantes indo às ruas em protesto contra decisões do governo.

Onda de renúncias

O político italiano não é o primeiro líder europeu a renunciar neste início de ano. Antes dele, os primeiros-ministros da Holanda (Mark Rutte) e da Estônia (Jüri Ratas) já haviam entregado o cargo. Em ambos os casos, as decisões ocorreram em meio a denúncias de corrupção.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. Existem os políticos com bom senso e os nossos, que não importa o percentual de descontentamento e falta de apoio como o desgovernador paulistano, eles nos enfrentam, nos desrespeitam e ainda se vingam.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.