Suspeito pela morte de ex-presidente do Haiti, ex-senador é preso na Jamaica

John Joel Joseph foi encontrado pelos policiais jamaicanos em uma comunidade rural na qual se escondia e vivia sob anonimato
-Publicidade-
Funeral de Jovenel Moïse, ex-presidente do Haiti, morto em julho do ano passado
Funeral de Jovenel Moïse, ex-presidente do Haiti, morto em julho do ano passado | Foto: Reprodução/Redes Sociais

O ex-senador haitiano John Joel Joseph foi preso na Jamaica no sábado 15, no âmbito da investigação sobre o assassinato do ex-presidente do Haiti Jovenel Moïse, em julho do ano passado.

O ex-parlamentar foi encontrado pelos policiais jamaicanos em uma comunidade rural na qual se escondia e vivia sob anonimato.

Além de John Joel Joseph, outros suspeitos de terem participado do crime foram detidos, informou a polícia jamaicana. As autoridades locais não divulgaram maiores informações.

-Publicidade-

Moïse foi assassinado no dia 7 de julho de 2021, quando um grupo de milicianos invadiu a residência presidencial e o matou a tiros. Desde então, mais de 40 pessoas foram presas, mas nenhuma delas foi levada a julgamento.

A Rede Nacional de Defesa dos Direitos Humanos do Haiti (RNDH) criticou, no início de janeiro, a lentidão das investigações sobre o crime que abalou o país, que já duram mais de seis meses e não chegaram a uma conclusão final.

Alguns dias depois da manifestação da RNDH, o ex-militar colombiano Mario Antonio Palacios foi preso, também suspeito de ligação com o assassinato. Detido em Miami, ele responde por duas acusações nos Estados Unidos.

Em depoimento, Palacios disse que foi contratado para participar de uma operação que pretendia capturar Moïse, mas não matá-lo. Segundo o colombiano, no dia 6 de julho, véspera do crime, ele foi informado de que os planos haviam mudado.

Em novembro, o empresário Samir Handal, também considerado um dos suspeitos de envolvimento no assassinato de Moïse, foi preso na Turquia. Ele era procurado pela Interpol.

Premiê do Haiti em perigo

No início do mês, o primeiro-ministro do Haiti, Ariel Henry, afirmou que foi alvo de uma tentativa de assassinato durante as celebrações de um feriado nacional, na cidade de Gonaïves, a 150 quilômetros da capital, Porto Príncipe.

“Tentaram algo contra mim, pessoalmente. Minha vida está na mira dessas pessoas”, disse Henry. Ele comanda o governo do país desde o assassinato de Moïse. O premiê haitiano e outras autoridades do governo tiveram de deixar às pressas a cidade.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.