The Economist e o Brasil de fantasia

Em artigo publicado na Edição 64 da Revista Oeste, J. R. Guzzo argumenta que a revista britânica colocou na capa sua denúncia sobre um país mórbido, amaldiçoado, que não existe na realidade concreta

-Publicidade-
O Brasil respira por aparelhos, segundo a revista <i>The Economist</i>
O Brasil respira por aparelhos, segundo a revista The Economist | Foto: Reprodução/Mídias Sociais

Em artigo publicado na Edição 64 da Revista Oeste, J. R. Guzzo argumenta que a revista inglesa The Economist tratou o Brasil como um país mórbido, amaldiçoado e respirando por aparelhos, justo no momento em que surgem as melhores notícias sobre seu desenvolvimento há pelo menos cinco anos.

Leia um trecho

“Brasil realmente não dá sorte com a imprensa internacional. O mundo gira, o tempo passa e nada de melhorar a ideia que os jornalistas de outros países fazem da nossa terra, nossas coisas e nossa gente; dos nossos governos, então, é melhor nem falar nada. Antigamente diziam que o sujeito podia ser morto à flecha ou comido por uma onça em plena Avenida Copacabana. Hoje dizem que o Brasil está praticamente morto, destruído pelas dez pragas do faraó e, para complicar, é governado por uma espécie de sub-Calígula tropical de direita que com certeza vai arruinar a humanidade se não for detido já, neste instante.

-Publicidade-

Talvez fosse melhor, pensando bem, ficar com a imagem externa que o Brasil tinha no tempo da onça em Copacabana. Pelo menos, naquela época, o que se dizia era a bobagem fundamental — ou seja, o despropósito em estado puro e simples, sem compromisso nenhum com qualquer fato, que podia incomodar os indignados de sempre e ferir o orgulho de um país caipira e inclinado a julgar-se mais europeu do que era, mas não passava muito disso. Hoje, além da coleção de disparates de ontem, é preciso ouvir prodigiosas lições de moral, discursos de correção política e teorias cansativas sobre administração pública. Ou seja: estão escrevendo que tem onça, querem explicar por que tem, e ensinam o que nós todos temos de fazer para sair dessa vida. Pior: a elite nativa acredita em tudo, fica agitadíssima e diz a si própria que desta vez, positivamente, está tudo acabado para o Brasil.”

Gostou? Dê uma olhada no conteúdo abaixo.

Revista Oeste

A Edição 64 da Revista Oeste vai além do artigo de J. R. Guzzo sobre a matéria da revista inglesa The Economist acerca da atual situação da política brasileira. A publicação digital conta com reportagens especiais e artigos de Augusto Nunes, Dagomir Marquezi, Guilherme Fiuza, Milton Neves, Rodrigo Constantino, Cristyan Costa, Ubiratan Jorge Iorio, Ana Paula Henkel e Edilson Salgueiro.

Startup de jornalismo on-line, a Revista Oeste está no ar desde março de 2020. Sem aceitar anúncios de órgãos públicos, o projeto é financiado diretamente por seus assinantes. Para fazer parte da comunidade que apoia a publicação digital que defende a liberdade e o liberalismo econômico, basta clicar aqui, escolher o plano e seguir os passos indicados.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comentários

  1. Esse telefone sem fio de que, alguém ouviu, contou para fulano, que falou para alguém, que publicou não sei onde , nada mais é que medo de ver o Brasil dando certo, a economia enfrentando com coragem, apesar das loucuras e sequelas da pandemia, tudo o que tentam para desestrurar o governo. Esses do me contaram deveriam vir ao Brasil para verem in loco, que a onça nunca existiu, foi apenas uma lenda folclórica já esquecida, q as obras paradas há anos estão sendo concluídas, que hoje o sertão já tem água, internet, moradias e o melhor de tudo, o POVO já percebeu quem de fato trabalha para o bem do brasileiro, o quanto o país foi roubado e já sabe o que fazer nas eleições de 2022. Se vasculhar direitinho descubrirão que atrás destas invenções tem o dedo (sem nenhuma analogia) de
    um certo senhor mais sujo que pau e galinheiro e que em seus devaneios já disse que: “não vou decepcionar outra vez”, pq tem consciência do que já fez. Pula essa que já era. Arruma outra, se conseguir, que a gente sabe quem está do nosso lado.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site