Revista Oeste - Eleições 2022

A utopia europeia

Países aprovaram um plano arriscado para proibir a venda de veículos com motores a combustão até 2035
-Publicidade-
União Europeia quer se livrar a qualquer custos dos carros movidos a combustão
União Europeia quer se livrar a qualquer custos dos carros movidos a combustão | Foto: Divulgação/Pixabay

A União Europeia (UE) aprovou um plano arriscado na noite de terça-feira 28. Os 27 Estados membros do bloco econômico pretendem impedir a venda de novos veículos com motores a combustão a partir de 2035.

A medida quer reduzir para zero as emissões de dióxido de carbono dos automóveis novos na próxima década. Itália, Eslováquia e outros Estados queriam que a eliminação fosse adiada para 2040.

A pedido de alguns países, como a Alemanha, os 27 concordaram para permitir tecnologias alternativas, como combustíveis sintéticos ou híbridos recarregáveis, se estes permitirem que o objetivo de eliminar totalmente as emissões de gases de efeito estufa seja alcançado.

-Publicidade-

A data de 2035, embora ainda não oficial, está em consonância com aquela preconizada pelo Parlamento Europeu e pela Comissão Europeia, com quem os países terão de negociar as regras finais. Em 2026, a Comissão vai avaliar quais avanços tecnológicos foram feitos para ver se é possível realmente cumprir a meta em 2035.

As propostas climáticas visam a garantir que a UE — o terceiro maior emissor de gases de efeito estufa do mundo (dióxido de carbono, metano e óxido nitroso, entre outros) — atinja sua meta em 2030 de reduzir as emissões em 55% em relação aos níveis de 1990.

Leia também: “Síndrome da insanidade climática”, texto publicado na edição 86 da Revista Oeste

Proposta é questionada pelas montadoras

Segundo o executivo Arno Antlitz, da Volkswagen, adotar a medida será desafiador, “mas um obstáculo mais assustador será produzir baterias suficientes para alimentar os carros elétricos necessários”, disse, à agência de notícias Reuters, nesta quarta-feira, 29.

As principais montadoras estão correndo para garantir o fornecimento de células de bateria, mas encontrar matérias-primas de bateria suficientes pode ser um problema maior.

O CEO da Stellantis, Carlos Tavares, disse, no mês passado, que espera que a escassez de baterias de veículos elétricos atinja a indústria automobilística em 2024-2025, à medida que os fabricantes tentam aumentar as vendas de veículos elétricos enquanto ainda constroem novas fábricas de baterias.

Leia mais: “Falar que o clima é controlado pela atividade humana é patético”, reportagem de Artur Piva publicada na edição 73 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.