-Publicidade-

Vaticano planeja ‘soluções alternativas’ contra quem não se vacinar contra a covid-19

Vacinação passou a ser tema entre cardeais
Vacinação contra o coronavírus rende discussão no Vaticano
Vacinação contra o coronavírus rende discussão no Vaticano | Foto: Gabriel Arroyo/Unsplash

O Vaticano afirmou nesta sexta-feira, 19, que nenhum cardeal ou outro funcionário da cidade-Estado será dispensado em caso de recusa à vacinação contra o coronavírus. Em nota divulgada à imprensa, autoridades locais negaram o boato sobre demissões, possibilidade que chegou a ser ventilada pela imprensa europeia no decorrer desta semana.

Leia mais: “Relator de MP propõe condições para compra de vacinas pelo setor privado”

Comunicado assinado pelo cardeal Giuseppe Bertello, presidente da Comissão Pontifícia do Estado da Cidade do Vaticano, defende a imunização voluntária. Contudo, orienta os membros a se vacinar contra a covid-19. Em contrapartida, sinaliza a possibilidade de imposição de punições a quem se recusar a tomar a vacina — como mudança de função dentro do clero.

“Adoção de medidas que minimizem o perigo em questão”

“A segurança da comunidade pode prever, para quem recusa a vacinação por motivos de saúde, a adoção de medidas que, por um lado, minimizem o perigo em questão e, por outro, permitam encontrar alternativas soluções para a realização do trabalho pelo interessado”, informa, de modo genérico, trecho do conteúdo chancelado por Bertello.

A nota foi divulgada dias após a revelação de um decreto assinado pelo próprio Bertello. Em texto de 8 de fevereiro, ele afirma que quem não tomasse a vacina contra a covid-19 estaria violando artigo de uma lei do Vaticano de 2011, informa a agência de notícias Lusa. Norma essa que fala em direitos e deveres e que pode culminar na perda de emprego dentro do território controlado pela Igreja Católica.

Papas vacinados

Enquanto a discussão sobre vacinação contra a covid-19 chega ao Vaticano, os dois papas já estão imunizados. De acordo com o próprio Vaticano, Francisco, de 84 anos, e o emérito Bento XVI, de 93, já receberam a segunda dose do imunizante.

Painel da covid-19: confira os números da doença no Brasil e no mundo

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês