Na Argentina, grevistas barram exportações de grãos - Revista Oeste

Edição da semana

Em 28 set 2020, 13:40

Na Argentina, grevistas barram exportações de grãos

28 set 2020, 13:40

Trabalhadores que atuam no setor portuário cruzaram os braços depois de negociação malsucedida com os donos dos terminais

na argentina

O país lidera as exportações mundiais de farelo de soja e é o terceiro país no ranking de embarques de milho e soja em grãos | Foto: Divulgação/Agência Brasil

Uma greve nos portos da Argentina interrompeu nesta segunda-feira, 28, as exportações de grãos do país. Os trabalhadores decidiram cruzar os braços por 24 horas depois de um acordo malsucedido entre o sindicato que representa a categoria e os donos dos terminais. “Não vamos renunciar à nossa exigência de melhorias no poder de compra. E vamos insistir na redução da jornada de trabalho, o que há muito tempo pedimos a um setor que hoje está num ano recorde de exportações”, informaram os sindicalistas, em nota.

Leia também: “Fernández torna público documentos sigilosos da inteligência argentina”

Os empresários criticaram a paralisação e qualificaram-na de “ilegítima e improcedente”. Isso porque tentaram negociar várias vezes, mas sem sucesso. Entre outras reivindicações, os trabalhadores exigem redução de jornada de trabalho de oito para seis horas. Conforme noticiou Oeste, o nível de desemprego no país saltou para 13,1% no segundo trimestre do ano, o maior desde 2004. A Argentina lidera as exportações mundiais de farelo de soja e é o terceiro país no ranking de embarques de milho e soja em grãos.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. O país está na m****, aí os empregados querem redução de carga horária… Meu Deus… É por isso que elegeram quem está lá…

    Responder
  2. Se os trabalhadores fossem inteligentes não se filiariam a sindicado algum, resolveriam suas pendências por conta própria! Sindicato entra apenas para atrapalhar, uma vez que deseja o monopólio da solução, a fim de justificar sua existência e a cobrança das mensalidades! Se, realmente trabalhassem a favor do país e dos empregados, enxergariam que essa greve traz prejuízo econômico, em um momento no qual há a necessidade de pedir moratória internacional! São os adeptos do quanto pior melhor!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês